ONU declara situação de fome em mais três regiões da Somália

Área inclui a capital do país, Mogadíscio; condições devem permanecer críticas até dezembro

Agência Estado

03 Agosto 2011 | 15h21

Situação deve piorar em outras regiões do país e de toda a África

 

ROMA - A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou nesta quarta-feira, 3, mais três regiões da Somália em situação de fome, estendendo a área onde altos índices de desnutrição e mortalidade são registrados. Essas novas áreas incluem os campos de refugiados na capital do país, Mogadiscio.

 

A agência da ONU para Agricultura e Alimentação (FAO) disse que a carência de alimentos deve se espalhar por todas as regiões do sul da Somália nas próximas quatro a seis semanas e que essas condições devem persistir até dezembro. Em toda a Somália, 3,7 milhões dos 7,5 milhões de habitantes do país sofrem com a escassez de alimentos. Segundo a FAO, 3,2 milhões de pessoas necessitam de ajuda alimentar imediata para evitar que morram.

 

Cerca de 450 mil pessoas vivem nas zonas afetadas pela fome da Somália, disse Grainne Moloney, conselheiro técnico chefe da FAO na Somália. A ONU diz que o predomínio de desnutrição aguda e índices brutos de mortalidade superam os registrados na região de Shabelle, o assentamento de refugiados do corredor Afgoye e das comunidades de desalojados internos em Mogadiscio.

 

A ONU disse no mês passado que outras duas regiões da Somália sofrem com a fome. As informações são da Associated Press.

 

Mais conteúdo sobre:
Somália fome ONU FAO África

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.