Países árabes intensificam encomenda de armamento dos EUA

Segundo especialista, norte-americanos pretendem montar nova estrutura de segurança na região para garantir fluxo de petróleo para a economia global

Efe

21 Setembro 2010 | 05h26

LONDRES - Os Estados árabes do Golfo estão comprando maciçamente armamento de empresas dos Estados Unidos em uma clara tentativa de opor resistência ao poderio militar do Irã, informa nesta terça-feira, 21, o jornal britânico Financial Times (FT).

Segundo o jornal, esses países fizeram pedidos que somaram cerca de US$ 123 bilhões, dos quais 67 bilhões correspondem à Arábia Saudita, o que dará um forte impulso à indústria de defesa americana.

A primeira fase desse acordo de venda de armas, que deve ser aprovado pelo Congresso americano, tem um valor estimado de US$ 30 bilhões.

Segundo Anthony Cordesman, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington, os EUA tentam montar na região uma nova estrutura de segurança capaz de garantir o fluxo do petróleo necessário para a economia global.

Essas vendas de armas "reforçarão o nível de dissuasão regional e permitirão aos EUA diminuir seu próprio contingente militar na região", afirma Cordesman.

Muitos países do Oriente Médio, onde ficam dois terços das reservas mundiais conhecidas de petróleo, estão alarmados pelas ambições nucleares do Irã, e ainda recebem alertas frequentes dos EUA.

Esses países temem também que um eventual ataque israelense ou americano às instalações nucleares iranianas motive represálias contra eles e interrompam o fluxo de petróleo pelo Estreito de Ormuz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.