Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Internacional
Início do conteúdo

Senado paraguaio aprova entrada da Venezuela no Mercosul

Projeto de lei teve 29 votos favoráveis e 10 contrários, além de cinco abstenções e uma ausência; texto ainda será analisado pelos na Câmara dos Deputados

10 de dezembro de 2013 | 16h 58
O Estado de S. Paulo

ASSUNÇÃO - O Senado do Paraguai aprovou nesta terça-feira, 10, o protocolo de adesão da Venezuela ao Mercosul, após ter bloqueado a entrada do país no bloco regional durante anos. O projeto passou com 29 votos a favor, 10 contra, cinco ausências e uma abstenção e agora deverá ser apreciado na Câmara dos Deputados.

A proposta de lei foi enviada ao Congresso na semana passada pelo presidente do Paraguai, Horacio Cartes, para resolver um conflito jurídico que afetou as relações do país com o Mercosul, deterioradas após a cassação de Fernando Lugo da presidência em junho de 2012. A medida do Senado é o primeiro passo para que o Paraguai retome a participação plena no Mercosul.

"O governo está restabelecendo todas as relações internacionais. É o momento de entender que o Paraguai precisa se reintegrar ao Mercosul e poder negociar com os blocos", disse o senador do governista Partido Colorado, Enrique Bachetta.

O governo tem mais da metade dos deputados e, por isso, não deve ter dificuldade para completar o processo antes do recesso de verão, no fim deste mês.

Cartes dedicou seus primeiros meses de governo para recompor as relações bilaterais com os países da região, em especial com seus sócios do Mercosul: Argentina, Brasil, Uruguai e Venezuela.

Os países retiraram seus embaixadores no Paraguai em resposta ao rápido julgamento político que destituiu o presidente Fernando Lugo, a pouco mais de um ano do fim de seu mandato.

"O que estamos tentando é o nosso retorno ao Mercosul e o que devemos discutir é que tipo de Mercosul queremos. Vamos estar dentro de um Mercosul onde a razão política prevalece sobre a jurídica. E isso não convém a um país pequeno", disse a senadora opositora Desiree Masi no plenário. / EFE e REUTERS






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo