ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Aécio diz que PSDB tentou aprimorar o Mais Médicos

18 de dezembro de 2013 | 19h 25
DÉBORA ÁLVARES - Agência Estado

O senador tucano Aécio Neves (MG) rebateu nesta quarta-feira, 18, a presidente Dilma Rousseff e disse que as coisas boas do atual governo "serão não só mantidas, como aperfeiçoadas no futuro governo do PSDB". Na manhã de hoje, a presidente ironizou o discurso que o senador tem adotado e afirmou ser bom ver que o PSDB reconhece o valor de programas como o Bolsa Família e o Mais Médicos.

Aécio sugeriu que Dilma, "que anda adepta das redes sociais", conferisse um vídeo na internet. "Sugiro que ela vá la no YouTube e veja debate do segundo turno das eleições de 2002. Vai ver que foi exatamente o seu tutor, o presidente Lula, que chamou os programas de transferência de renda de Bolsa Esmola, ao contrário do que ela disse, se referindo ao Bolsa Escola e ao Bolsa Alimentação, que na verdade, foram a matriz do Bolsa Família", alfinetou o tucano.

O senador defendeu o PSDB na votação do programa "Mais Médicos". "A presidente se equivoca dizendo que votamos contra o Mais Médicos. Votamos a favor, mas buscamos aprimorá-lo, o que infelizmente não conseguimos fazer. Mas faremos isso no governo do PSDB", disse o senador.

Aécio voltou a criticar o fato de os médicos cubanos trazidos ao Brasil por meio do programa Mais Médicos receberem salários menores que os demais estrangeiros. "O que não ocorrerá num governo do PSDB é o financiamento de um regime autoritário com recursos do Tesouro, a pretexto de garantir recursos para um programa social", finalizou.

Petrobras

Provável candidato do PSDB à Presidência no ano que vem, Aécio disse que a "reestatização" da Petrobras, termo que passou a fazer parte de seus discursos especialmente em encontros com empresários, é necessária para que a estatal deixe de ser "um instrumento para fazer frente à incompetência do governo em controlar a inflação". "É a profissionalização da Petrobras, de novo a meritocracia comandando a Petrobras, a Eletrobras, as principais empresas públicas".

Segundo o presidenciável, o uso que o governo tem dado à Petrobras tem sido perverso com os brasileiros e seus acionistas e "tem tirado a empresa de ser o grande instrumento de desenvolvimento econômico do Brasil". "Esse governo a transformou na empresa não financeira mais endividada do mundo, tendo seu endividamento triplicado, perdendo seu valor de mercado. Começa a acontecer o inimaginável: a atrasar o pagamento de fornecedores", afirmou o senador.





Tópicos: Aécio, Dilma

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo