ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Aécio Neves tenta garantir por o apoio do PPS

04 de dezembro de 2013 | 18h 05
ERICH DECAT - Agência Estado

A dois dias do início do Congresso do PPS em que pode ser apresentada uma indicação de apoio a um dos pré-candidatos à Presidência da República, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) partiu para o corpo-a-corpo em busca de apoio da legenda. O Congresso do PPS está previsto para ocorrer de sexta a domingo em São Paulo. O quadro interno da legenda é de racha. O presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP) defende que um posicionamento seja tomado durante o evento.

Freire não esconde que prefere apoiar a candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Segundo o deputado, conta com o apoio dos diretórios de São Paulo e Rio Grande do Sul. Aécio teria o apoio de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Já uma candidatura própria é defendida pelo Ceará e Paraná. Em meio a esse cenário, o secretário-geral do PPS, segundo na hierarquia do partido, deputado Rubens Bueno (PR) quer que uma posição só seja tomada apenas março do próximo ano.

Bueno organizou encontro de parte da bancada para receber uma "visita de cortesia" de Aécio na tarde desta quarta-feira. Freire não participou da reunião. Na saída, o tucano defendeu uma aliança com o partido socialista. "Vamos esperar que naturalmente o PPS tome a sua decisão sem qualquer tipo de pressão. Mas eu não podia deixar de expressar aqui a minha vontade pessoal para que nós possamos caminhar juntos", disse o senador.

"Tenho dito sempre que as afinidades entre o PSDB e o PPS são conhecidas e reconhecidas pelos brasileiros. Eu não perdi a oportunidade de vir aqui dizer da importância de nós estarmos mais uma vez juntos. Respeitarei qualquer decisão do PPS, mas a tradição de caminharmos juntos é longa e faz bem ao Brasil", acrescentou. Em seguida, Rubens Bueno se posicionou pelo adiamento de uma decisão por parte da cúpula do PPS. "Defendemos a tese que devemos tomar uma decisão no mês de março ou abril do ano que vem. Não é da tradição do partido tomar uma decisão no Congresso Nacional" afirmou.

Apesar de não ter participado do encontro, Freire rebateu a tese de Bueno. "Eu defendo que saia agora uma indicação até porque com isso o partido fica mais instrumentalizado para discutir inclusive as alianças. Evidentemente que você só vai decidir de forma concreta com as convenções eleitorais. Até lá tudo pode acontecer. Mas um indicativo é importante", afirmou.



Tópicos: Eleições, Aécio

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo