ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Aécio: PSB é quem mais sairá perdendo se não apoiar Alckmin

Senador tucano e provável candidato à Presidência disse que PSDB vai se reunir em fevereiro para chancelar coligações estaduais para as eleições de outubro

14 de janeiro de 2014 | 17h 37
Ricardo Brito - O Estado de S. Paulo

Brasília - O provável candidato do PSDB à Presidência, senador Aécio Neves (MG), afirmou na tarde desta terça-feira, 14, que o PSB é quem mais sairá perdendo, caso o partido aceite o veto proposto pela ex-ministra Marina Silva a apoiar a candidatura à reeleição do governador de São Paulo, o tucano Geraldo Alckmin.

PSDB e PSB podem firmar alianças em ao menos 15 estados, disse o tucano - André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão
PSDB e PSB podem firmar alianças em ao menos 15 estados, disse o tucano

Na segunda, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, transmitiu a integrantes da Rede Sustentabilidade que aceita o veto de Marina desde que a ex-ministra antecipe o anúncio de que será sua vice na disputa pela Presidência da República. A intenção é que isso ocorra já no próximo mês.

"Se houver veto, altera o quadro, em prejuízo maior do próprio PSB", afirmou Aécio Neves, em entrevista coletiva na sede nacional do PSDB em Brasília, na qual falou principalmente das ações do partido após o episódio de retenção de recursos da poupança da Caixa de correntistas que tiveram suas contas canceladas por irregularidades cadastrais.

O tucano aproveitou a coletiva para anunciar que, em fevereiro, a direção nacional do PSDB vai se reunir para chancelar todas as coligações estaduais que serão firmadas com vistas às eleições de outubro.

Aécio comentou que toda decisão tomada "a fórceps" é artificial e, na opinião dele, imposições na política não trazem "bons resultados". Contudo, o presidente do partido destacou que, no que depender dele, o PSB continuará aliado ao governador paulista. Ele ressalvou que a negociação em São Paulo será conduzida pelas lideranças do partido no Estado.

O tucano disse que já fez avaliações de que em pelo menos 15 Estados PSDB e PSB podem firmar alianças eleitorais e, se "empurrarmos um pouco", os acordos entre os dois partidos podem chegar a 20 unidades da federação.

Aécio Neves disse que o PSDB "estará competitivo" na campanha eleitoral, em condições de disputar com o PT, principal adversário. Para ele, seria um "prazer" dividir palanque com Eduardo Campos e, na sua "modesta opinião", a aliança deve continuar. "Tenho estimulado que possamos respeitar as decisões locais", observou.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo