ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Aliados de Aécio assumem secretarias no governo Cabral

03 de fevereiro de 2014 | 19h 25
LUCIANA NUNES LEAL - Agência Estado

Nomeados pelo governador Sérgio Cabral, dois aliados do candidato tucano à Presidência da República, Aécio Neves, assumiram as secretarias deixadas pelo PT, depois do rompimento com o PMDB no Estado. O novo secretário do Ambiente é o ex-deputado Indio da Costa, do PSD, candidato a vice-presidente de José Serra (PSDB) nas eleições de 2010. A Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos foi entregue ao deputado estadual Pedro Fernandes, do Solidariedade.

No mesmo dia da entrada no governo Cabral, o Solidariedade anunciou nesta segunda-feira, 3, apoio à candidatura do vice-governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) ao Palácio Guanabara. Em carta enviada ao governador, o presidente do partido, deputado Paulinho da Força (SP), elogiou o "trabalho incansável" de Pezão e aproveitou para reiterar o apoio a Aécio. Paulinho prometeu "propagar" a candidatura do tucano no Rio.

"Decidimos aceitar o convite (de integrar o governo Cabral) para participar do projeto, que ultrapassa os limites da administração, cientes de que (...) será respeitada a nossa opção, conhecida de público, de apoiar e propagar agora pelo Estado do Rio de Janeiro, como fazemos por todo o Brasil, o projeto de País construído pelo senador Aécio Neves", diz Paulinho na carta a Cabral.

O novo secretário de Assistência Social reforçou a estratégia. "A prioridade do Solidariedade é a eleição de Aécio. Vou trabalhar por uma junção entre o PMDB do Rio e Aécio", afirmou Pedro Fernandes, que prometeu dar continuidade ao trabalho do antecessor, o petista Zaqueu Teixeira.

Fernandes terá um mandato relâmpago, de apenas dois meses. Em abril, vai deixar o governo para disputar a reeleição na Assembleia Legislativa. Indio da Costa evitou falar em prazo e disse não ter decidido se disputará um cargo eletivo em outubro. "Essa minha gestão pode ser considerada, modéstia à parte, o período em que a secretaria mais vai executar coisas por segundo, se depender de mim", brincou o substituto do petista Carlos Minc.

Embora ainda não tenha formalizado, o PSD também fechará aliança com Pezão, que assume o lugar de Cabral no início de abril. "A tendência é de apoio a Pezão. O que está por trás de tudo isso é a preocupação de que o Rio de Janeiro não ande para trás", afirmou Indio, em referência indireta às candidaturas do ex-governador Anthony Garotinho (PR) e do senador Lindbergh Farias (PT).





Tópicos: Cabral, PT

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo