ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Ao lado de Dilma, Campos diz que ambos sabem separar interesse público de disputa política

17 de dezembro de 2013 | 15h 53
Reuters

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que deve enfrentar a presidente Dilma Rousseff na eleição do ano que vem, afirmou nesta terça-feira que ambos sabem separar o interesse público e a disputa política, no primeiro encontro em solo pernambucano dos antigos aliados depois do desembarque do PSB do governo.

"Temos consciência de que para alguns este poderia ser um momento diferente do que está sendo. Poderia ser entendido como um encontro entre quadros políticos que amanhã poderão viver legitimamente uma disputa democrática", disse Campos.

"Mas não. Esse é um encontro entre uma presidenta eleita democraticamente pelo povo brasileiro e um governador eleito pelo seu povo, que sabem o tamanho da institucionalidade, que sabem o dever que têm pelo Brasil e que sabem separar o interesse público e o interesse pela disputa política", acrescentou.

O presidente do PSB, que selou uma aliança com a ex-senadora Marina Silva para as eleições de 2014, afirmou ainda que essa deve ser a última vez que recebe a presidente na condição de governador. Para concorrer à Presidência, Campos deve respeitar o prazo de desincompatibilização e deixar o cargo seis meses antes da eleição de outubro.

Campos ressaltou ainda o respeito pela presidente. "Sempre fiz esse registro de público e faço questão de reiterá-lo nessas circunstâncias", disse ele, durante a cerimônia de entrega da plataforma de petróleo P-62, da Petrobras, construída em estaleiro no município de Ipojuca.

Dilma, por sua vez, agradeceu no início de seu discurso a "recepção fraterna" e o alto nível das relações que sempre pautaram a convivência de ambos. Dilma aproveitou o evento para anunciar investimento de cerca de R$2,9 bilhões em mobilidade urbana no Estado.

Essa foi a primeira visita da presidente a Pernambuco desde o anúncio da aliança de Campos com Marina, no início de outubro, como uma alternativa ao PT, de Dilma. Marina, que disputou as eleições presidenciais em 2010, filiou-se ao PSB depois de não conseguir registrar o seu partido, a Rede Sustentabilidade.

Em setembro, a Executiva Nacional do PSB, aliado histórico do PT, anunciou oficialmente a decisão de deixar o governo federal e entregar os cargos que ocupava "em face da possibilidade de, legitimamente, poder apresentar candidatura à Presidência em 2014".





Tópicos: POLITICA, CAMPOS, DILMA*

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo