ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Bancada do PMDB critica negociação conduzida por cúpula

04 de dezembro de 2013 | 19h 53
ERICH DECAT - Agência Estado

Em reunião fechada integrantes da bancada do PMDB protestaram nesta quarta-feira contra a condução por parte da cúpula do partido na discussão da disputa eleitoral do próximo ano. No encontro, o atual líder, deputado Eduardo Cunha (RJ), foi reconduzido a mais um ano à frente da bancada e ficou com o encargo de levar o descontentamento dos deputados à cúpula da legenda.

"Houve muita queixa na reunião contra a cúpula que não nos convida a participar da condução do processo eleitoral do próximo ano. A cúpula fica falando em alianças nos Estados sem ouvir os deputados", disse vice-líder do PMDB, Lúcio Vieira Lima (BA). "Essa discussão eleitoral não pode se restringir à cúpula, tem que se democratizar o debate, criar fóruns para discutir isso", afirmou o também vice-líder, Danilo Fortes (CE).

As queixas ocorrem quatro dias depois de a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do PT, Rui Falcão, se encontrarem em Brasília para discutir as alianças nos Estados com caciques do PMDB. No encontro, do lado do PMDB, estiveram o vice-presidente da República, Michel Temer, o presidente do partido, senador Valdir Raupp (RO), e o presidente do Senado e da Câmara, Renan Calheiros (AL) e Henrique Eduardo Alves (RN).

Além do pedido de "democratização do debate", integrantes da bancada do PMDB também se posicionaram contra qualquer mudança no tamanho dos espaços no governo na reforma ministerial prevista para o início do próximo ano. Atualmente, a bancada é detentora das indicações dos ministros do Turismo, Gastão Vieira, e da Agricultura, Antônio Andrade. O receio dos deputados se deve à negociações feitas em torno do nome do senador Vital do Rego (PMDB-PB), indicado pelos senadores do partido para ocupar uma vaga no Ministério de Integração, que foi desocupado pelo PSB após o governador de Pernambuco e provável candidato à Presidência da República, Eduardo Campos, romper com o governo.

Nos bastidores do Congresso, o comentário é que a cessão do ministério ao PMDB ocorreria somente se houvesse a troca por Turismo ou Agricultura, que em contrapartida iria para outra legenda. "Não vamos aceitar diminuição do espaço da bancada na reforma ministerial. Ninguém da bancada aceita perder espaço do Gastão e do Antônio Andrade", afirmou Danilo Fortes.



Tópicos: Câmara, PMDB

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo