ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Brasil assina acordos para abrir arquivos da ditadura

29 de janeiro de 2014 | 19h 34
VERA ROSA, ENVIADA ESPECIAL - Agência Estado

O Brasil assinou nesta quarta-feira, 29, dois acordos bilaterais, um com a Argentina e outro com o Uruguai, para a abertura dos arquivos da ditadura. A ideia é que a troca de informações ajude os trabalhos da Comissão Nacional da Verdade, que investiga crimes e omissões cometidos pelas Forças Armadas durante o regime militar.

"Sem dúvida esses acordos vão ajudar os trabalhos da Comissão da Verdade, pois fazem parte do contexto de recuperação da memória", disse o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo.

O chanceler subscreveu os memorandos de entendimento no último dia da II Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), em Havana, que declarou a região como "zona de paz". Os dois acordos preveem que os países signatários "prestarão assistência e cooperação mútua mediante o intercâmbio de documentação relevante para a investigação e esclarecimento das graves violações, com o propósito de contribuir para o processo de reconstrução histórica da memória, verdade e justiça".

Pelos memorandos, Brasil, Argentina e Uruguai se comprometem a realizar todas as ações possíveis, "seja por intermédio de vias administrativas, judiciais e/ou legislativas" para esclarecer graves violações dos direitos humanos. Segundo Figueiredo, não há um período definido para a investigação sobre violação de direitos humanos.

A iniciativa para a assinatura dos acordos partiu do governo brasileiro e, nas palavras do chanceler, contou com a "imediata compreensão" tanto da Argentina como do Uruguai. "A partir de agora, documentos que tivermos, eventualmente de interesse deles, também podem ser compartilhados. Isso vai ser útil para todos nós", argumentou Figueiredo.

No ano passado, uma das principais ações da Comissão da Verdade foi a autorização para a exumação do corpo do presidente João Goulart, que morreu no exílio, na Argentina, em 1976. A exumação foi feita porque a família de Goulart acredita que ele tenha sido envenenado, e não vítima de problemas cardíacos.

Instalada em 2012, a Comissão da Verdade já passou por várias divergências internas, que levaram ao pedido de demissão do ex-procurador-geral da República Cláudio Fonteles, então coordenador do grupo. Até agora houve muitas discordâncias no colegiado sobre a revisão da Lei da Anistia, com punições a agentes do Estado que atuaram na ditadura, e também sobre a abertura dos arquivos do regime militar.




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo