ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Cabral diz que pretende deixar governo em março para se lançar ao Senado

Governador disse que seu nome está 'à disposição' do PMDB e que rompimento com o PT no Estado deve ser 'discutido com tranquilidade'

02 de dezembro de 2013 | 13h 31
Marcelo Gomes - O Estado de S. Paulo

Rio de Janeiro- O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), disse na manhã desta segunda-feira, 2, durante a inauguração da Unidade de Polícia Pacificadora Camarista Maier, na zona norte do Rio, que vai colocar seu nome "à disposição" de seu partido para disputar o Senado nas eleições de 2014. Se for efetivado como candidato do PMDB ao Legislativo, Cabral disse que vai deixar o governo do Estado em 31 de março do ano que vem, prazo final de desincompatibilização para governadores que pretendem disputar outro cargo eletivo que não a reeleição.

Governador anunciou intenção de disputar o Senado durante inauguração de UPP na zona norte do Rio - Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão
Governador anunciou intenção de disputar o Senado durante inauguração de UPP na zona norte do Rio

"Os companheiros têm me estimulado muito para o Senado Federal", declarou Cabral, após afirmar que considera o dia 31 de março o prazo ideal para o PT entregar os cargos em seu governo. O senador petista Lindbergh Farias, que pretende disputar a sucessão de Cabral, defende o rompimento imediato.

Cabral também comentou a relação de seu governo com o PT no Rio e disse respeitar a posição de Lindbergh, mas fez ressalvas sobre a forma como deve ser feito o rompimento. "Estivemos juntos esse tempo inteiro. A população não vai compreender uma saída repentina do PT depois de 7 anos de governo", afirmou o governador, para quem "isso (rompimento) tem que ser discutido com tranquilidade, serenidade, no momento apropriado", afirmou o governador.

No caso de Cabral deixar o governo em março, o atual vice, Luiz Fernando Pezão (PMDB), vai disputar sua sucessão no cargo de governador. Cabral está em seu segundo mandato consecutivo como chefe do Executivo estadual e, portanto, não pode se candidatar ao governo novamente.





Tópicos: Sérgio Cabral, PMDB, PT

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo