ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Calheiros ameaça votar texto das dívidas estaduais

05 de fevereiro de 2014 | 15h 22
RENATA VERÍSSIMO E RICARDO BRITO - Agência Estado

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta quarta-feira, que se não houver acordo entre o governo e os líderes partidários no Senado sobre o encaminhamento do projeto que muda o indexador das dívidas dos Estados e municípios com a União, ele levará o projeto à votação no plenário. Calheiros lembrou que a proposta é o primeiro item da pauta desta quarta-feira, 5. O presidente do Senado está reunindo na tarde de hoje em seu gabinete com líderes partidários, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e a ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, para discutir a questão.

Calheiros disse, antes do início dessa reunião, que o governo tem argumentado que neste momento as circunstâncias não são favoráveis à mudança do indexador. O senador disse, entretanto, que é favorável à proposta. "Sou a favor, não sou porque sou representante de Alagoas no Senado, mas porque não tem sentido manter esta sangria com os Estados endividados", declarou.

O presidente do Senado explicou que para que o projeto seja votado no plenário da Casa, é necessário que o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) retire as emendas apresentadas ao texto, caso contrário o projeto precisará voltar para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), disse que fará um encaminhamento no sentido de que o regimento seja cumprido e o projeto volte às comissões. Ele explicou que mesmo que Randolfe concorde em retirar as emendas, esta decisão precisa ser aprovada pelos demais senadores em plenário.

Caso Calheiros coloque a proposta a votação, líderes do governo devem apresentar um requerimento para adiar a análise. Se o requerimento não for aprovado, aí então os senadores terão de efetivamente avançar no debate, ou seja, decidir sobre a retirada das emendas.

Mantega não quis dar entrevista ao chegar ao Senado, mas prometeu falar com a imprensa após o encontro. Mantega também não falou com a imprensa quando saiu do Ministério da Fazenda rumo ao Congresso.




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster

  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha
  • Peemedebista lança pré-candidatura em cima de um tanque de guerra



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo