ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Câmara aprova emenda que impede penhora online

11 de fevereiro de 2014 | 22h 29
RICARDO DELLA COLETTA E EDUARDO BRESCIANI - Agência Estado

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira, 11, uma emenda ao novo Código de Processo Civil que impede o bloqueio de recursos e ativos financeiros de devedores via tutela antecipada, como uma liminar, a chamada penhora online. Parlamentares defenderam a mudança como forma de evitar abusos, como o bloqueio de salários ou de contas de empresas sem qualquer notificação prévia. Para o governo, porém, a alteração pode fragilizar ações no âmbito financeiro contra o crime organizado ou de "colarinho branco".

O debate sobre o novo Código Processo Civil deve continuar na próxima semana com a discussão sobre o cumprimento de pena em regime semiaberto ou fechado para quem não pagar pensão alimentícia.

Autor da emenda aprovada, o deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) argumentou que o expediente é utilizado de forma "abusiva". "O texto demonstra a intenção evidente de que a penhora em dinheiro, em depósito ou em aplicação financeira ocorra apenas após o esgotamento de todas as vias judiciais", justificou. "Isso compromete as empresas, que, por exemplo, não têm dinheiro para pagar os empregados."

O governo acabou isolado no debate. Apenas PT e PC do B encaminharam para preservar essa possibilidade. Foram 279 votos a favor da emenda e 102 contra. Relator do projeto, o deputado Paulo Teixeira criticou a decisão tomada pela Casa. "O instrumento impede a ação rápida de devedores e serve para agir contra traficantes, lavagem de dinheiro, sonegadores ou devedores contundentes", lamentou o relator Paulo Teixeira (PT-SP).

Ele disse esperar que o Senado, que revisará o texto, restaure seu parecer ou mesmo que o item seja vetado pela presidente Dilma Rousseff. "Eu respeito a votação, mas ela vai contra o consenso no mundo jurídico", avaliou.

O principal argumento dos que defendem o bloqueio e a penhora pela tutela antecipada é que isso evita que pessoas investigadas se desfaçam do seu patrimônio. Agora, como o congelamento de dinheiro dependerá de uma decisão de mérito, esse processo será dificultado.





Tópicos: Câmara, CPC, Penhora online

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo