ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Cardozo diz que está tranquilo após pedido de comissão

09 de dezembro de 2013 | 19h 08
VERA ROSA - Agência Estado

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta segunda-feira, 09, estar "absolutamente tranquilo" em relação ao pedido de informações sobre a investigação do cartel de trens e de metrô em São Paulo, encaminhado a ele pela Comissão de Ética da Presidência da República. "Quem cumpre a lei seguramente não age de forma antiética", afirmou Cardozo. "É correto, legal e normal o procedimento da Comissão de Ética da Presidência ao requerer informações."

O PSDB acusa Cardozo de usar o cargo para determinar uma "investigação seletiva", com o objetivo de perseguir adversários políticos tucanos e abafar os desdobramentos do escândalo do mensalão, que atinge o PT.

Para o deputado Carlos Sampaio (SP), líder do PSDB na Câmara, o ministro mirou as eleições de 2014 quando pediu investigação à Polícia Federal - e não à Procuradoria Geral da República - sobre denúncias de corrupção envolvendo cartel de trens e de Metrô em governos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB.

"O ministro da Justiça não pode ser um engavetador geral de denúncia. Se fosse assim, seria um prevaricador geral", rebateu Cardozo. "Quem quer criar uma polêmica eleitoral para tirar o foco das investigações não vai nos intimidar."

O Estado de S. Paulo revelou nesta segunda-feira que a Justiça Eleitoral barrou estratégia do presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinícius de Carvalho, que pleiteava o reconhecimento retroativo de sua desfiliação do PT para a data de 16 de maio de 2008. Ao requerer a retroatividade, Carvalho pretendia evitar questionamentos sobre a legitimidade do exercício de seu mandato no Cade, cadeira que ocupa desde 30 de maio de 2012.

"Ele não cometeu nenhuma prática ilegal", disse Cardozo. Em maio, o Cade fez acordo de leniência com executivos da multinacional alemã Siemens, entre eles Everton Rheinheimer, que revelou cartel no sistema de trens e Metrô em São Paulo. O acordo de leniência é semelhante à delação premiada, no qual o denunciante tem a possibilidade de reduzir sua pena, em troca da colaboração com autoridades.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo