ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Dilma cita 'pactos' feitos em resposta às manifestações

13 de dezembro de 2013 | 0h 06
DÉBORA ÁLVARES, RICARDO DELLA COLETTA, DAIENE CARDOSO - Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff lembrou das manifestações que tomaram conta do País em junho passado em seu discurso durante a abertura do 5º Congresso do PT, em Brasília. Ela afirmou que o PT não é "um partido que deixa de escutar os movimentos sociais" e que seu governo não poderia deixar de escutar as ruas e as manifestações. Assim como o ex-presidente Lula, a Dilma elogiou seu partido e disse que o fato de integrar a legenda "faz a diferença". "Nós temos lado, posição, temos um sentido", disse, na noite desta quinta-feira, 12.

Dilma ressaltou os pactos que fez em resposta às manifestações populares. Segundo ela, o primeiro deles, pela responsabilidade fiscal, é fundamental e visa "garantir o controle da inflação". "Estabelece com a clareza necessária, nesse momento de mudança, que nós somos capazes de construir e conduzir melhores condições para o brasileiro."

Ela citou também o segundo pacto, a sugestão de uma reforma política com o objetivo de "ampliar a participação popular, a cidadania e coibir a corrupção". "Poucos governos e poucos partidos fizeram tanto pela transparência e combateram a corrupção como o governo do PT." De acordo com a presidente, é preciso melhorar a representatividade política e essa reforma sugerida por ela, por meio de um plebiscito, é um clamor do PT.

"Temos que melhorar a representatividade política, assegurar que a governabilidade seja feita sem os ônus que hoje ela carrega. Mais ética, mais democracia, mais oportunidade de falar e ser ouvido", disse. O terceiro pacto, educação, foi abordado como um compromisso histórico do PT. A presidente enumerou feitos do governo petista na educação, como o Prouni, Pronatec, a expansão das universidades federais e o Programa Ciência Sem Fronteiras.

Ao citar o pacto pela saúde, a presidente destacou o programa Mais Médicos. "Faltavam médicos no Brasil, sim, e ousamos enfrentar o problema". Segundo ela, a população brasileira entendeu o significado do programa e que havia uma visão elitista. "Programa Mais Médicos tem o sentido básico, que é reforçar o Sistema Único de Saúde (SUS), quem paga somos nós (governo)"

O quinto pacto, mobilidade urbana, foi citado no discurso da presidente em uma referência ao Bilhete Único de São Paulo. "Estamos incentivando sistematicamente a implantação de modais e o Bilhete Único da forma como São Paulo está implantando", ressaltou.




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo