ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Dilma e ex-presidentes conversaram por horas em voo

10 de dezembro de 2013 | 21h 21
RAFAEL MORAES MOURA - Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff e os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso, José Sarney e Fernando Collor passaram juntos as oito horas do voo da Força Aérea Brasileira (FAB) entre Rio de Janeiro e Johannesburgo, na última segunda-feira, 09. Almoçaram, conversaram, jantaram e não dormiram. Nesta terça-feira, 10, embarcaram de volta ao Brasil, desta vez em voo com escala em Angola.

Segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da agência Estado, os antecessores de Dilma ficaram com a presidente na chamada cabine presidencial, onde há oito poltronas. Collor e Sarney se sentaram de um lado do corredor, FHC de outro, à frente de Dilma e Lula toda hora andando pra lá e pra cá. Dilma convidou os ex-presidentes para acompanhá-la em cerimônia realizada nesta terça-feira em homenagem ao líder sul-africano Nelson Mandela, morto na última quinta-feira, 05.

"Foi muito aprazível, foi bom. Conversamos o que pessoas civilizadas conversam nesses momentos - sobre assuntos variados", disse FHC. No menu da FAB, foram servidos às autoridades estrogonofe e peixe com camarão.

Ao chegar na madrugada de terça-feira a Johannesburgo, Lula brincou com a imprensa: "Ela (Dilma) quer deixar metade da gente aqui". A presidente, bem-humorada, respondeu que ia levar todos os ex-presidentes de volta "direitinho".

A última vez que os antecessores de Dilma estiveram reunidos foi em maio de 2012, quando foi instalada a Comissão da Verdade, em cerimônia no Palácio do Planalto. Em Johannesburgo, os ex-presidentes e Dilma ficaram nos dois últimos andares de um hotel cinco estrelas, no espaço destinado a autoridades VIP. A presidente quis se reunir com todos outra vez, antes de ir para o estádio Soccer City, palco do tributo a Mandela.

Em novembro, a presidente se irritou ao ser questionada pelo jornal O Estado de S. Paulo se estava seguindo a cartilha de privatizações do PSDB. "O modelo, meu querido, é meu", disparou. FHC contra-atacou: "Ela não aprende". No roteiro pela África, não houve turbulência desta vez - pelo menos não na viagem de ida. A chegada ao Brasil estava prevista para a madrugada desta quarta-feira, 11.



Tópicos: Dilma, Mandela, Voo

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo