ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Dilma irá à África do Sul para homenagem a Mandela

06 de dezembro de 2013 | 20h 49
RAFAEL MORAES MOURA - Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff decidiu cancelar três eventos previstos para o início da próxima semana e viaja na segunda-feira à África do Sul, onde vai acompanhar missa com chefes de Estado de todo o mundo em homenagem ao líder sul-africano Nelson Mandela. Dilma também decretou sete dias de luto pela morte de Mandela, conforme decreto publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União de desta sexta-feira, 06.

A missa fúnebre está prevista para ocorrer às 14h (10h de Brasília) da próxima terça-feira em Johannesburgo no Estádio FNB, palco da abertura e do encerramento da Copa do Mundo de 2010.

A viagem à África do Sul derrubou as agendas de Dilma previstas em Belo Horizonte, Porto Velho e Ji-Paraná (RO) - a presidente, no entanto, manteve a participação em evento promovido na segunda-feira pela Bill Clinton Global Initiative, no Rio de Janeiro. De lá, embarca para Johannesburgo.

"O governo e o povo brasileiro receberam consternados a notícia da morte de Nelson Mandela", lamentou a presidente Dilma Rousseff em nota divulgada quinta-feira, 05, pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

"Personalidade maior do século XX, Mandela conduziu com paixão e inteligência um dos mais importantes processos de emancipação do ser humano na história contemporânea - o fim do apartheid na África do Sul."

Dilma viajou na segunda-feira desta semana a Aracaju para acompanhar o velório do ex-governador de Sergipe, Marcelo Déda. Em março, foi a Caracas para as cerimônias fúnebres em homenagem ao ex-presidente venezuelano Hugo Chávez. Dilma também acompanhou o velório do ex-vice-presidente José Alencar em Belo Horizonte, em março de 2011.

Geração.

Para o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, a morte de Mandela é uma perda que marca "profundamente" toda a nossa geração. "(Ele) teve a sabedoria de transformar sofrimento não em ódio, mas num combustível para recompor, para restaurar a dignidade de um povo", comentou Carvalho a jornalistas, após participar de reunião no Planalto com o Movimento Paz & Proteção.





Tópicos: Dilma, Mandela

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo