ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Dilma sanciona lei que cria 1.437 cargos no MPF

27 de dezembro de 2013 | 13h 09
RICARDO BRITO - Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff sancionou sem vetos uma lei que prevê a criação de 1.437 cargos no Ministério Público Federal (MPF) até 2020. O texto, que foi aprovado no início do mês pelo Senado numa votação relâmpago e simbólica, propõe 687 postos para integrantes do MPF, entre procuradores (660), procuradores regionais (15) e subprocuradores-regionais da República (12), e outros 750 cargos em comissão no seu quadro funcional.

A lei sugere um escalonamento para os próximos sete anos na ocupação dos postos que serão abertos. Em 2013, que devem ser preenchidas ano que vem, estão previstas 15 vagas para procuradores-regionais da República, 12 de subprocuradores regionais e 90 de cargos em comissão; em 2014 e 2015, 60 cargos de procuradores da República e outros 60 cargos em comissão, em cada um dos anos; de 2016 a 2020, em cada um dos anos, de 108 cargos de procurador da República e outros 108 de cargos em comissão.

Não consta do texto sancionado por Dilma o impacto que a ocupação das vagas vai ter nos cofres públicos. Durante a tramitação da proposta no Congresso, a estimativa do impacto foi de cerca de R$ 22 milhões até 2015 com as novas vagas.

Na justificativa à proposta, enviada ao Congresso em 2011, o então procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou que os novos postos têm por objetivo aperfeiçoar a atuação judicial e extrajudicial da instituição.

"Pretende o Ministério Público Federal criar condições favoráveis para atuar ainda mais efetivamente na defesa da sociedade por meio do combate à criminalidade e à corrupção, da proteção do regime democrático e promoção dos direitos fundamentais", disse Gurgel.

A presidente também sancionou outra lei de interesse da instituição, que prevê a criação de 198 representações do MPF nos municípios. A proposta tem por objetivo garantir que a instituição acompanhe a expansão das varas federais na Justiça.



Tópicos: Cargos, MPF

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo