ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Disputa por cargos na Executiva divide o PT

11 de dezembro de 2013 | 19h 48
ERICH DECAT - Agência Estado

Após serem derrotados na disputa pela presidência nacional do PT, integrantes da ''Mensagem'', segunda maior corrente da legenda, tiveram seus postos reduzidos na cúpula do partido. A decisão foi tomada nesta quarta-feira, 11, em Brasília, em reunião do Diretório Nacional do PT durante a qual foi aprovada a composição da nova Executiva Nacional do PT, com mandato previsto para os próximos quatro anos.

A ''Mensagem'', integrada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; e pelo governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, entre outros, lançou o deputado federal, Paulo Teixeira (SP), na disputa pelo comando da legenda ocorrida em novembro. Apesar de apresentarem uma evolução de votos em comparação com a última eleição interna, o grupo de Teixeira ficou em segundo lugar, atrás de Rui Falcão, reeleito para o comando da legenda.

Antes da disputa, a ''Mensagem'' ocupava a secretaria-geral do partido, tido como o segundo posto na linha hierarquia do PT. Após a reunião desta quarta-feira, a cadeira passou a ser do deputado federal licenciado Geraldo Magela (DF), que é da corrente ''Movimento PT'', que apoiou a candidatura de Falcão.

A Executiva do partido também será composta pelo deputado federal José Guimarães (CE), como vice-presidente; Clarissa Cunha (RJ), no posto de segundo vice-presidente; Jorge Coelho (SP), como terceiro vice-presidente; Gleice Andrade (MG), como quarto vice-presidente; e Alberto Cantalice (RJ), como quinto vice-presidente.

"O grupo que apoiou do Rui ficou com as principais posições da Executiva, tesouraria, secretaria-geral, de organização, de comunicação, de mobilização e quatro vices presidências", lamentou Paulo Teixeira, que deixou o local da reunião antes que terminasse. "Acho que é um começo que não sinaliza, internamente no PT, para um equilibro de uma gestão coletiva e para a própria revisão interna que o PT carece. Na nossa tradição deveríamos escolher o segundo cargo, que seria a secretaria-geral", acrescentou.

As queixas de Teixeira são as mesmas do deputado Henrique Fontana (RS), integrante da ''Mensagem''. "Quando alguém tem maioria, deve, evidentemente, exercer essa maioria com muita prudencia e equilíbrio e nossa expectativa era ver o Paulo Teixeira na secretaria-geral. Dito isso, não muda nosso compromisso com a reeleição da presidente Dilma", declarou Fontana.





Tópicos: PT, Executiva, Disputa

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo