ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Em MG, Dilma abre agenda de viagens e anuncia R$ 2,5 bi para mobilidade

Presidente escolhe como destino para primeiro deslocamento de 2014 território de seu provável adversário, senador Aécio Neves (PSDB); no ano passado, 37 das 82 viagens foram para o Sudeste, 8 delas para Minas

17 de janeiro de 2014 | 12h 55
Francisco Carlos de Assis e Beatriz Bulla

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff fez nesta sexta-feira, 17, sua primeira viagem nacional do ano para Belo Horizonte (MG), onde anunciou o investimento de R$ 2,5 bilhões em obras de mobilidade urbana na região. No ano passado, Dilma esteve por oito vezes no Estado, também reduto do senador tucano Aécio Neves (PSDB), seu provável adversário nas eleições presidenciais.

Das 82 viagens feitas no ano passado, 37 foram para o Sudeste. O número de deslocamentos superou os registros de 2012 e 2011. Nas visitas ao solo mineiro, Dilma já havia anunciado investimentos em obras de mobilidade urbana e de infraestrutura. À época, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou que os deslocamentos são programados de acordo com a disponibilidade de agenda da presidente.

Nesta sexta, Dilma voltou à capital mineira para anunciar recursos destinados a transporte coletivo e pavimentação de trechos de rodovias federais. Durante seu discurso, a presidente relembrou a série de visitas já feitas ao Estado, resultado, segundo ela, da parceria estabelecida entre os governos federal e estadual.

"Eu sou presidenta de todos os brasileiros. Agora, como presidenta de todos os brasileiros, eu não posso fazer discriminação por partido político, por time de futebol, por religião", disse ela, ao lado do governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB).

Dilma destacou a relação entre os governos e afirmou ter havido avanços na destinação dos recursos federais. "Somos um País que amadureceu. Um País que não aceita, e o povo não aceita, os processos tradicionais em que os recursos públicos eram vistos como propriedades dos governantes", afirmou.





Tópicos: Eleições 2014,

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo