ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Empresa que empregará Dirceu está em nome de auxiliar

03 de dezembro de 2013 | 23h 29
EQUIPE AE - Agência Estado

A empresa sócia majoritária do hotel Saint Peter, novo empregador do ex-ministro José Dirceu, foi constituída no Panamá e esta no nome de um auxiliar administrativo do escritório de advocacia Morgan y Morgan. As informações sobre a Truston International INC constam de documentos da junta comercial do Panamá. Cumprindo pena no regime semiaberto, Dirceu foi contratado, com carteira assinada, para receber R$ 20 mil de salário.

Segundo reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, Jose Eugenio Silva Ritter é auxiliar de escritório e tem mais de mil empresas registradas em seu nome em vários países. Ele mora em uma área pobre, no Panamá, e foi encontrado pela reportagem lavando o carro na porta de casa. Responsável pela contratação de José Dirceu, o também sócio do hotel, Paulo de Abreu, disse ao jornal que Ritter "é um empresário estrangeiro que foi apresentado por meio de um advogado." Ele é irmão do José Masci de Abreu, presidente do PTN, partido aliado do governo Dilma Rousseff.

Os documentos da constituição da empresa mostram que a Truston foi aberta no dia 1º em julho de 2008; além de Ritter também está em nome de Dianeth M. de Ospino. Ritter é descrito no registro da empresa como auxiliar administrativo; ela como secretária. O documento foi elaborado pela Morgan y Morgan.

O objetivo da empresa é "comprar, vender transferir, negociar, financiar, permutar, administrar, tomar e dar empréstimo, abrir ou manejar conta bancária no Panamá ou em qualquer lugar do mundo." Os endereços dos primeiros diretores da empresa, Ritter, Dianeth e Marta de Saavedra são os mesmos do prédio onde funciona a Morgan y Morgan. Em outubro de 2012, há registro de uma reunião da diretoria na qual consta que Ritter participou como presidente da Truston.

Ao contrário do que ocorre no Brasil, pela legislação do Panamá os empresários não são obrigados a informar às autoridades quando as companhias são transferidas de donos. Isso acaba dificultando a identificação do verdadeiro dono de uma empresa que pode ser aberta no nome de uma pessoa e depois transferida sem que ninguém saiba.

Ao JN, a advogada de Paulo Abreu afirmou que a sócia majoritária da Truston era até segunda-feira, 02, a nora dele, a empresária Lara Severino Vargas, quando vendeu sua parte a Paulo Abreu. Conforme a advogada, Abreu é dono de 60 % do prédio onde funciona o hotel Saint Peter. Os outros 40 %, ainda segundo a advogada, pertencem ao empresário Paulo Naya.





Tópicos: Dirceu, Empresa

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Deputado tem mandato suspenso

  • Deputado tem mandato suspenso
  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo