ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Funai repudia onda de violência em Humaitá-AM

27 de dezembro de 2013 | 19h 25
LISANDRA PARAGUASSU - Agência Estado

A Fundação Nacional do Índio (Funai) repudiou, em nota, nesta sexta-feira, 27, a onda de violência em Humaitá (AM), causada pelo desaparecimento de três pessoas próximo à reserva indígena Tenharim. A fundação, responsável pelo atendimento aos índios, afirmou "que não compete à Funai promover ações de investigação, apuração, ou buscas de pessoas desaparecidas". "Essas ações constituem atribuições das forças de segurança pública", afirmou.

Os três desaparecidos foram vistos pela última vez na entrada da terra indígena, no quilômetro 85 da Transamazônica. A Polícia Federal (PF) abriu uma investigação, mas não tem mais informações até agora. A falta de resultado nas buscas revoltou a população de Humaitá, que desconfia dos índios. Na noite desta quinta-feira, 26, 3 mil pessoas atearam fogo ao prédio da Funai e à Casa do Índio na cidade, além de destruir uma dezena de veículos.

"A Funai vem a público repudiar a violência ocorrida na noite da última quarta-feira (25), onde manifestantes do município de Humaitá incendiaram o prédio da Fundação Nacional do Índio, município localizado a 675 quilômetros de Manaus, destruindo também veículos e barcos oficiais. Atos de vandalismo contra o patrimônio público são injustificáveis e configuram ilícitos", diz a nota, divulgada nesta sexta-feira. No meio da tarde, ninguém mais atendia o telefone na sede do órgão, em Brasília.

No texto, a Funai diz ainda que sempre se pôs à disposição para ajudar na apuração e no diálogo com os indígenas e pede à população que libere os acessos no município para que a PF possa fazer a investigação, mas critica as ameaças feitas aos indígenas. "É fundamental reafirmar, nesse momento, os princípios que regem o Estado Democrático de Direito, no âmbito do qual são reprováveis a prática de ameaças, de violência física e moral contra indígenas e contra servidores públicos, e a depredação do patrimônio público, causadora de enorme prejuízo ao erário", afirma o texto. O Ministério da Justiça, para o qual a Funai e a PF respondem, não tinha informações sobre a crise em Humaitá até o início da noite desta sexta-feira.




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo