ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Gilmar Mendes acusa 'bandidos' de tentar intimidar STF

29 de maio de 2012 | 21h 14
REUTERS

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, disse nesta terça-feira que "bandidos" e "gângsters" estão tentando intimidar a Corte por conta do julgamento do mensalão, que deve ser realizado nos próximos meses.

O ministro disse ainda a jornalistas ter recebido informações de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seria o "centro de divulgação" de alegações de que o magistrado teria relações com o empresário Carlinhos Cachoeira, que está no epicentro de uma CPI que investiga suas relações com empresários e políticos.

A reação de Mendes vem em meio à polêmica provocada pela publicação pela revista Veja do último fim de semana de relatos do ministro segundo os quais Lula teria tentado pressioná-lo a apoiar o adiamento do julgamento do mensalão em troca de proteção na CPI.

Em declaração a jornalistas, o ministro respondeu às alegações de que teria voado em jatinho de Cachoeira, preso desde fevereiro acusado de comandar uma rede de jogos ilegais.

"Vamos parar de fofoca! Nós estamos lidando com gângsters. Estamos lidando com bandidos. Bandidos que ficam plantando essas informações", disse o ministro a jornalistas.

"Ele (Lula) recebeu esse tipo de informação. Gente que o subsidiou com esse tipo de informação, e ele acreditou nela", acrescentou.

"Grupo de chantagistas. Bandidos. Desrespeitosos. Mas eles não queriam me constranger não, queriam constranger o tribunal. Vamos encerrar com isso. Não quero ter relações com bandidagem", esbravejou.

"O objetivo é melar o julgamento do mensalão. Esse era o objetivo. É dizer 'o Judiciário está envolvido em uma rede de corrupção'. É isso! Tentaram fazer isso com o Gurgel e estão tentando fazer isso comigo agora."

Mendes se referia à pressão de integrantes da CPI, especialmente petistas, sobre o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, por conta do que consideram uma demora do procurador em acionar o STF após receber, em 2009, informações sobre a Operação Vegas, da Polícia Federal, que junto à Operação Monte Carlo servem de base para a CPI.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo