ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Mensalao

Juiz nega pedido de Henry para ter 2º emprego e estudar

Magistrado seguiu parecer do MP contrário à solicitação do ex-deputado para estudar à noite e trabalhar aos domingos; para juiz pedido 'estimula impunidade'

22 de janeiro de 2014 | 16h 28
Mateus Coutinho - O Estado de S. Paulo

Após parecer contrário do Ministério Público, o juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto, da Vara de Execuções Penais do Mato Grosso, decidiu negar os pedidos de Pedro Henry para ter um segundo emprego aos domingos, fazer um curso de fisioterapia à noite e concluir sua pós em medicina hiperbárica.

Para Justiça, pedido de ex-parlamentar reduziria cumprimento da pena para 'aqúem do mínimo' - Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão
Para Justiça, pedido de ex-parlamentar reduziria cumprimento da pena para 'aqúem do mínimo'

Segundo o magistrado, há "total incompatibilidade da pretensão do reeducando com os objetivos da reprimenda, pois o cumprimento da pena seria reduzido aquém do mínimo, o que estimularia, inclusive, a impunidade." Em sua decisão, o juiz lembra ainda que Henry começou a cumprir a pena no regime semiaberto em 13 de dezembro, e que seria necessário o cumprimento de ao menos 1/6 da pena para ter direito a sair da prisão para estudar.

"Soma-se a tal circunstância a estranheza que causou a qualquer pessoa, de senso comum, o fato de o penitente, conhecido pela profissão de médico e cursando pós-graduação em Medicina Hiperbárica, colocar-se a disposição para cursar graduação similar àquela já concluída. É bom frisar que não se está a diminuir a importância e o valor do curso de fisioterapia, porém, é clara a intenção do recuperando em apenas se manter afastado do estabelecimento penitenciário", afirma Neto.

A decisão segue o parecer do Ministério Público do Mato Grosso emitido na terça-feira, 21, no qual o promotor de Justiça Joelson de Campos Maciel considerou os pedidos uma tentativa de burlar a pena. "O trabalho duplo, nesse caso, ao invés de tornar-se instrumento de ressocialização, transmuda-se como meio de burlar a própria execução da pena e ultrapassa, e muito, o limite legal", avaliou no documento.

Condenado a 7 anos e 2 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no julgamento do mensalão, Henry já está trabalhando como coordenador administrativo do hospital particular Santa Rosa, em Cuiabá (MT), cargo pelo qual recebe um salário de R$ 7,5 mil.





Tópicos: Mensalão, Pedro Henry

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo