ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Justiça pode decidir até terça se Dirceu vai trabalhar

Desde o final de dezembro, ex-ministro espera aval para trabalhar como organizador de biblioteca no escritório de advocacia de um amigo

08 de fevereiro de 2014 | 11h 53
Ricardo Brito - Agência Estado

O advogado José Luis de Oliveira Lima, defensor do ex-ministro José Dirceu, disse neste sábado (08) que a Vara de Execuções Penais de Brasília pode decidir até terça-feira se o seu cliente poderá deixar a cadeia para trabalhar durante o dia. Desde o final de dezembro, Dirceu espera o aval da Justiça para começar a trabalhar como organizador da biblioteca do escritório do advogado José Gerardo Grossi, amigo do ex-ministro.

Preso desde meados de novembro após condenação no mensalão, o ex-chefe da Casa Civil vai receber R$ 2,1 mil pelo trabalho, caso seja aceito. No início de dezembro, ele desistira de outro emprego, para ser gerente de um hotel em Brasília com salário de R$ 20 mil. Criticou, por meio de advogados na ocasião, ter sido alvo de um "linchamento midiático"

A análise do pedido de Dirceu para trabalhar no escritório de advocacia havia sido suspensa no final do mês após a imprensa ter revelado que o ex-ministro teria usado um aparelho celular no Complexo Penitenciária da Papuda, na capital.

Uma apuração interna da cadeia concluiu que o fato era "inverídico" e, mesmo sem ter ouvido Dirceu, determinou o arquivamento do caso. A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, entretanto, mandou a Subsecretaria do Sistema Penitenciário de Brasília e o presídio refazerem a investigação. Não se sabe se essa apuração já foi concluída.

Questionado se espera uma decisão favorável da Justiça sobre o pedido de trabalho do seu cliente, o defensor de Dirceu preferiu não comentar. "Não falo nada, eu aguardo, não tenho expectativa. Vou recorrendo quando negam (os pedidos) e fico em silêncio quando ganho", disse.




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo