Mais um extrativista é encontrado morto no Pará; na Amazônia, é o 4º caso

Corpo de Eremilton estava na mesma região em que casal foi assassinado na terça-feira

Marcela Gonsalves, Central de Notícias

29 Maio 2011 | 13h27

SÃO PAULO - Moradores do Assentamento Agroextrativista Praialta-Piranheira, em Nova Ipixuna, no sudeste do Pará, encontraram na manhã de sábado o corpo do agricultor Eremilton Pereira dos Santos, de 25 anos. No mesmo local foram mortos na última terça-feira os extrativistas José Cláudio Silva e Maria do Espírito Santo Silva. Na região amazônica, este é o quatro crime do tipo só nesta semana.

 

A Polícia Civil, que está com equipe reforçada em Marabá há cinco dias, afirmou que já começou as investigações sobre a morte. Eremilton estava desaparecido desde quinta-feira. Ele foi achado por volta das 8h30, às margens de um lago, na área do projeto de assentamento, a cerca de 7 quilômetros do local onde o casal foi vítima de uma emboscada.

 

O cunhado de Eremilton foi ouvido em depoimento durante a tarde de ontem. A testemunha afirmou que a vítima estava caída de bruços com o rosto ferido, com características de disparo de arma de fogo. Ao sair de casa na quinta-feira para comprar peixe, a vítima teria deixado sua moto perto de uma fazenda. O veículo foi encontrado no local. A polícia afirmou que ouviria ainda os sogros do rapaz.

 

"É muito cedo para vincular este episódio à morte do casal de extrativistas ocorrida esta semana na mesma área", afirmou o secretário de Segurança, Luiz Fernandes. A informação de que Eremilton seria testemunha da morte do casal de extrativistas e executado por causa disso foi classificada como precipitada pela polícia.

 

O delegado Silvio Maués, responsável pelo caso, descarta essa possibilidade, porque não houve testemunha ocular do crime de terça-feira. Em Nova Ipixuna, equipes da Polícia Civil, Polícia Federal e do Ibama, em diligências no assentamento, deslocaram-se até a área para apurar o novo homicídio.

 

Outra vítima. Além de Eremilton e do casal extrativista, outro líder agricultor foi morto esta semana na região amazônica. O corpo de Adelino Ramos, o Dinho, de 57 anos, chefe do Movimento Camponês Corumbiara, foi encontrado na sexta-feira em Vista Alegre do Abunã. A Polícia Civil já tem um suspeito do crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.