Marina Silva diz que não descarta concorrer à Presidência em 2014

Em entrevista coletiva, ex-senadora diz que se houver alguém comprometido com seu legado, ela será a 'melhor cabo eleitoral'

01 de outubro de 2012 | 18h 25

Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo

A ex-senadora Marina Silva (sem partido) não descartou a possibilidade de concorrer novamente à presidência da República em 2014, durante entrevista coletiva em Porto Alegre, nesta segunda-feira, 1. Questionada pelos repórteres se estaria fora do jogo na próxima eleição, ela deixou todas as possibilidades abertas. "Não sei se serei candidata novamente", esquivou-se, para, na sequência, comparar sua situação atual com a de quatro anos atrás. "Se vocês tivessem me perguntado isso em 2008 eu também não saberia porque eu nunca imaginei que pudesse ser candidata à presidência da República". Marina concorreu em 2010 e fez cerca de 20 milhões de votos.

Ao mesmo tempo, a ex-senadora sustenta que o legado daquela votação é maior do que ela e que as pessoas comprometidas com a sustentabilidade podem estar em qualquer partido. "Se em 2014 tiver um excelente nome comprometido com esse legado eu sou a melhor cabo eleitoral; sou melhor para pedir votos para os outros do que para mim".

Na campanha eleitoral deste ano Marina Silva tem percorrido o País para dar apoio a candidatos ligados ou comprometidos com o movimento transpartidário pela sustentabilidade que criou. Nesta segunda-feira a ex-senadora participou de atividades das campanhas de Gisele Uequed (PTN) em Canoas e Adão Villaverde (PT) em Porto Alegre. Na quarta-feira estará apoiando Luiz Eduardo Cheida (PMDB) em Londrina e Rodrigo Loures (PMDB) em São José dos Pinhais.

"As estruturas partidárias que temos não dão conta da complexidade política que vivemos", afirmou Marina. "É por isso que, neste momento, eu priorizo o movimento", justificou, destacando que as ideias de aprofundamento da democracia e da sustentabilidade podem ser apropriadas por todos.

Ao falar sobre o mensalão, Marina repetiu o que vem dizendo nos últimos dias. "Se tem alguém que parece inocente e é culpado, que seja punido; se tem alguém que é inocente e parece culpado, que seja inocentado". Ao mesmo tempo, não viu qualquer relação entre o período de julgamento do caso e as eleições. "Não acredito que a Corte fosse fazer o seu calendário preocupada em criar uma situação", ressaltou.



Comentários


Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui


Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo