Mendes pede rapidez no caso da censura ao Grupo Estado

"É preciso que esse assunto não fique na avaliação de um único juiz", disse o magistrado

Anne Warth, Agência Estado

17 Agosto 2009 | 14h28

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, cobrou hoje (17) rapidez do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF), que ainda não julgou pedido do Grupo Estado sobre a suspeição do desembargador Dácio Vieira. Na última quinta-feira (13), o desembargador que proibiu o jornal O Estado de S.Paulo e o site estadao.com.br de publicarem reportagens sobre a Operação Boi Barrica, da Polícia Federal (PF), decidiu que é competente para analisar o caso. Com isso, a matéria vai para análise do Conselho Especial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, integrado pelos 18 desembargadores mais antigos.

 

Veja também:

linkEmpreiteira pagou dois imóveis para família Sarney em São Paulo

 

A Operação Boi Barrica envolve o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Dácio foi consultor jurídico do Senado. Ele convive socialmente com a família Sarney e com o ex-diretor do Senado Agaciel Maia. O desembargador foi fotografado junto a Sarney na festa de casamento de Mayanna Maia, filha de Agaciel.

 

"Eu tenho a impressão de que deve haver celeridade no Judiciário para decidir isso. Não é razoável que de fato se tenha uma liminar e se espere tanto tempo. Acho que o TJ-DF tem de se pronunciar", disse Mendes, após se reunir com a direção da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista.

 

"É preciso que esse assunto não fique na avaliação de um único juiz, que o tribunal se pronuncie, dando ensejo a que o tema tenha o curso normal. Se for o caso, que vá para as instâncias superiores", afirmou o ministro.

 

O desembargador concedeu no dia 30 de julho liminar proibindo o Grupo Estado de publicar reportagens envolvendo a Operação Boi Barrica. Desde então, os advogados do Grupo Estado entraram com uma arguição de suspeição contra desembargador e com mandado de segurança para derrubar a liminar concedida em favor do filho do presidente do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.