ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Mensaleiros não são símbolos da corrupção, diz Hage

09 de dezembro de 2013 | 18h 44
TÂNIA MONTEIRO - Agência Estado

Após discursar na cerimônia de comemoração do Dia Mundial de Combate à Corrupção e fazer um balanço dos 10 anos do trabalho da Controladoria Geral da União, o ministro Jorge Hage, disse, nesta segunda-feira, 09, que os presos do Mensalão não representam os símbolos da corrupção no País. Sem citar nomes, o ministro Jorge Hage acrescentou que não considera que os símbolos da corrupção estejam presos. Ao ser questionado se o julgamento do Mensalão com a respectiva prisão dos seus condenados na Papuda poderia ser considerado um símbolo neste combate à corrupção, o ministro-chefe da CGU respondeu: "é importante sim porque mostra que as instituições quando querem, funcionam. Mas eu diria que está muito longe de termos condenado símbolos da corrupção do Brasil". E emendou: "na minha opinião os símbolos da corrupção, os emblemáticos, continuam soltos".

Na cerimônia, o ministro Jorge Hage comemorou que "há muitos avanços no avanço ao combate à corrupção". Ressalvou, no entanto, que ainda há uma série de medidas necessárias a serem tomadas para que estas ações se tornem mais efetivas. E listou algumas delas: a reforma política, reforma no processo judicial e a participação mais efetiva dos estados e municípios, no combate às praticas criminosas.

Em seu discurso, o ministro lembrou avanços dos dez anos da criação da CGU, destacando que o Brasil acabou se tornando um exemplo mundial por causa de iniciativas como a criação do Portal da Transparência, as fiscalizações em municípios, a demissão de 4,3 mil servidores federais e a Lei de Acesso à Informação. E defendeu que este exemplo fosse seguido por estados e municípios porque o fato destas duas instâncias não acompanharem os avanços a nível federal acaba prejudicando o combate à corrupção e a percepção da corrupção no país.

Para o ministro Hage é importante que o sistema eleitoral impeça doações de empresas e que o Legislativo aprove leis que limitem o direito a recursos nos processos criminais e cíveis. Na opinião do ministro, o criminoso de colarinho branco que tenha dinheiro para pagar bons advogados consegue usar recursos protelatórios, atrasando o julgamento de seus processos em 10, 15 ou 20 anos. "Isso ocorre muitas vezes com dinheiro obtidos da corrupção", observou o ministro.



Tópicos: Hage, Corrupção

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo