ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Negociação de caças franceses prevê venda de jato da Embraer

Comunicado conjunto de Brasil e França prevê desenvolvimento e venda de cargueiros construídos no País

07 de setembro de 2009 | 18h 56
da Redação

Além de confirmar a abertura das negociações para a compra, pelo governo brasileiro, de 36 caças franceses Rafale, o comunicado divulgado por ocasião da visita relâmpago ao Brasil do presidente francês, Nicolas Sarkozy, assinalou a intenção do governo francês de comprar 10 aviões de transporte militar brasileiros KC-390. A disposição assinala o compromisso entre os dois países para o desenvolvimento de uma parceria na indústria aeronáutica.

O KC-390, ainda em fase de projeto - Reprodução
Reprodução
O KC-390, ainda em fase de projeto

Projetado pela Embraer para substituir os veteranos KC-130 Hércules da Força Aérea Brasileira (FAB), o KC-390 é um cargueiro militar com capacidade de realizar transporte logístico e reabastecimento em voo, e será desenvolvido em regime de parcerias estratégicas, como o programa de jatos comerciais da Embraer. A produção está prevista para começar em 2015.

Veja também:

linkDassault comemora negociações para venda do Rafale

linkMídia francesa ressalta fim do recesso de vendas externas

linkBrasil e França anunciam negociação de 36 caças de combate

linkAmorim justifica compras militares para 'defender pré-sal'

linkSarkozy chega ao Brasil para assinar acordos com Lula

especialEspecial: Os guardiões submersos da costa brasileira

"Queremos desenvolver uma grande indústria aeronáutica, construir aviões em conjunto, vender aviões em conjunto", disse o presidente francês a jornalistas em Brasília, após participar das comemorações do 7 de Setembro. Sarkozy também manifestou a disposição da indústria de seu país de contribuir para o desenvolvimento do programa do KC-390.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por sua vez, comemorou o acordo, que permitirá ao Brasil fabricar e vender as aeronaves a outros países da América Latina.

"A visita do presidente Sarkozy é mais que uma visita, é a consolidação de uma parceria estratégica entre dois povos que têm muita coisa em comum", destacou o presidente brasileiro. "Não é uma simples parceria comercial. A França não quer só vender ao Brasil e o Brasil não quer só vender à França. Nós queremos pensar juntos, criar juntos, construir juntos e, se for possível, vendermos juntos", acrescentou.

Lula justificou a decisão de renovar as aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) citando a necessidade de o país proteger a Amazônia e as reservas de petróleo encontradas na camada pré-sal.

O Rafale, fabricado pela Dassault Aviation, concorria com o F/A-18E/F Super Hornet da Boeing e com o Gripen da sueca Saab, no âmbito do consórcio FX-2.

O governo francês assegurou ao Brasil que a tecnologia para a construção dos aviões será transferida, o que teria pesado no acordo.

"Compartilhar nossa tecnologia não nos dá medo, porque nós sabemos que no século 21 os países devem falar de igual para igual", disse Sarkozy. "O tempo da colonização já acabou."

O chanceler Celso Amorim, entretanto, disse que as negociações ainda levarão tempo. "Dentro dos compromissos que foram assumidos, é de que o preço seja competitivo, seja razoável e tenha comparabilidade com o preço pago pelas próprias forças armadas francesas. Haverá condições de financiamentos que ainda serão discutidas", ponderou.

KC-390

Diferente do C-130, que usa motores turboélices, os KC-390 serão impulsionados por turbinas, o que permitirá voos até Nova York com 11 toneladas de carga.

A Embraer vê no projeto uma possibilidade de superar os reveses da crise econômica mundial, que resultou na demissão de 4,2 mil funcionários pela companhia. A empresa já teria feito contato com outros países interessados em adquirir o equipamento.

Outra novidade do projeto é a demonstração de que, pela primeira vez desde a criação das primeiras indústrias aeronáuticas no País, o governo esteja interessado em investir na indústria nacional de aeronáutica, por meio da compra de equipamentos militares nacionais.

Com informações da Reuters






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo