ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Nunca passei por período tão difícil, diz Zezé Perrella ao defender filho

Parlamentar criticou a imprensa e disse não precisar de política em seu primeiro pronunciamento desde a apreensão do helicóptero da empresa da família com 443 kg de cocaína

03 de dezembro de 2013 | 17h 54
Ricardo Brito - Agência Estado

Brasília - O senador Zezé Perrella (PDT-MG) saiu em defesa do filho, o deputado estadual Gustavo Perrella (SDD-MG), na tarde desta terça-feira, 3, no escândalo da apreensão pela Polícia Federal de um helicóptero que transportava 443 quilos de cocaína. A aeronave, de uma empresa que foi fundada Zezé Perrella e tem como sócio o filho do senador, foi apreendida há duas semanas pela Polícia Federal no interior do Espírito Santo.

No seu primeiro discurso após a divulgação do caso, o pedetista acusou a imprensa de querer atingir sua família a qualquer custo no episódio e disse jamais ter passado "um período mais difícil" na sua vida. "Eu não preciso de política", afirmou ele, ex-presidente do Cruzeiro e que assumiu em definitivo o mandato após a morte, em meados de 2011, do senador Itamar Franco.

O senador mineiro afirmou que seu filho autorizou o piloto do helicóptero a fazer um frete, pelo qual receberia R$ 12 mil, de um voo que sairia de Minas Gerais para São Paulo. Contudo, Perrella disse que o piloto não comunicou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que o voo iria para o Espírito Santo. Foi lá que, segundo o pedetista, a Polícia Federal "capturou esses bandidos", que estavam sendo monitorados pelo órgão.

Em defesa de Gustavo, Zezé Perrella disse que o piloto, ao depor na PF, disse que seu filho não sabia de "absolutamente nada" sobre o que estava sendo transportado na aeronave. Ele afirmou ainda que o piloto, que foi exonerado do gabinete do deputado estadual, foi cooptado pelo copiloto, que não era funcionário da empresa da família. Os dois rateariam, segundo ele, R$ 104 mil, dos quais R$ 60 mil ficariam com o piloto e o restante com o copiloto.

O senador do PDT ressaltou ainda que o delegado que conduz as investigações do caso disse que seu filho "não constava sequer como suspeito". Mas, segundo Perrella, reportagens começaram a explorar ligações contra o deputado e até ele próprio. "A imprensa quando não quer entender, quer ver sangue, quer massacrar", criticou, ao dizer que jamais imaginaria que iria à tribuna para tratar de um assunto que o deixasse "tão triste".

Sem citar os veículos, Zezé Perrella disse que chegaram a sugerir que o "voo maldito" pode ter sido abastecido com recursos da cota parlamentar do seu filho. Ele defendeu-o, dizendo que Gustavo usou em todo o ano R$ 14 mil e que o último ressarcimento da verba indenizatória ocorreu em outubro, portanto, antes da apreensão da droga. O pedetista afirmou que ele poderia usar até R$ 20 mil por mês. "Se está errado, que se mude o regimento. Quando eu vejo tudo isso, dá vontade de largar a política", disse.

O senador mineiro ainda chamou de "sacanagem" a tentativa de explorar politicamente o episódio, mencionando a manifestação de 50 pessoas na porta da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Perrella disse que fuma e seu filho nem sequer bebe e que ambos já se empenharam em campanhas antidrogas quando ele presidiu o Cruzeiro. "Eu descobri que não vale a pena (a atividade política) e, mais uma vez eu repito, que meu filho não vai ser investigado", queixou-se.

Zezé Perrella, que só foi aparteado rapidamente pelo senador Magno Malta (PR-ES), defendeu que "os cabeças" da organização apodreçam na cadeia. Ele disse que o piloto do helicóptero tinha "cara de gente boa" e, perto do fim do episódio, fez uma analogia com a situação por que passa sua família. "É como você emprestar seu carro para alguém comprar um pão e esse carro é usado para traficar droga ou cometer um assassinato", disse. "Eu não posso aceitar isso."

Ao final do discurso, o senador do PDT foi questionado por jornalistas sobre se iria se pronunciar sobre a investigação aberta pela Anac para realizar fretamento. O órgão informou que o helicóptero não tinha autorização para prestar esse tipo de serviço. Ele não quis comentar, dizendo que tudo o que tinha a falar foi dito da tribuna.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Deputado tem mandato suspenso

  • Deputado tem mandato suspenso
  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo