ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Padilha amplia críticas ao PSDB durante caravana

07 de fevereiro de 2014 | 17h 12
GUSTAVO PORTO E RICARDO GALHARDO - Agência Estado

Quase no final do primeiro dia da caravana pelo Estado de São Paulo, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha ampliou as críticas ao PSDB, partido de seu possível adversário e atual governador Geraldo Alckmin. "Há um esgotamento e uma fragmentação muito nítida do governo Alckmin; a bateria do PSDB em São Paulo acabou", afirmou Padilha, em entrevista nesta sexta-feira, 7, a jornalistas em Ribeirão Preto (SP).

Padilha adotou um discurso municipalista e afirmou que a forma como o governo do Estado trata os prefeitos "é excludente" e pediu mais agilidade ao governo paulista. "O governo do Estado de São Paulo deveria ser mais ágil para ajudar a resolver nossos desafios", afirmou.

O ex-ministro sinalizou que o empresário Maurílio Biagi (PR) é o nome mais forte para ser um futuro candidato a vice-governador em uma chapa encabeçada com o PT. "O PT interessa em uma composição com perfil que amplie o diálogo com outros setores na composição da chapa. O Maurílio é uma grande liderança não só do setor sucroenergético e tem condições de assumir qualquer cargo".

O ex-ministro também criticou a ação do governo paulista, comandado pelo PSDB, na defesa do setor sucroenergético, produtor de etanol, açúcar e energia elétrica a partir da cana. Padilha evitou atribuir a crise do setor à política restritiva para a gasolina, concorrente do etanol, por parte do governo federal e preferiu defender o papel de São Paulo, maior região produtora de cana, como protagonista na discussão dos problemas enfrentados pelas usinas.

O ex-ministro citou o Rio de Janeiro como um exemplo de defesa setorial, com o recente movimento em defesa dos royalties do petróleo. "Tem um vácuo que não está sendo ocupado pelo Estado de São Paulo, líder na produção, em defesa do setor sucroenergético do País. Não podemos ter um governo com liderança ausente para um setor tão importante", afirmou.

Padilha, que pode ter como candidato a vice-governador Maurílio Biagi Filho, empresário de família tradicional na produção de açúcar e etanol, citou que o setor é o primeiro a participar "do diálogo na caravana" organizada pelo PT na pré-campanha eleitoral. "O fato de começarmos com o setor é mais uma demonstração dessa importância", concluiu.



Tópicos: Padilha, Caravana, SP

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster

  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha
  • Peemedebista lança pré-candidatura em cima de um tanque de guerra



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo