ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Petistas fizeram lobby por escolha de caça sueco

Prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, defendeu escolha dos caças da Saab; oferta da Boeing foi prejudicada por espionagem dos EUA

18 de dezembro de 2013 | 20h 49
Denise Chrispim Marin - O Estado de S. Paulo

Amparada em argumentos técnicos, a escolha dos caças Gripen NG, da sueca Saab, pelo governo de Dilma Rousseff também respondeu ao lobby de um setor específico do PT. O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, defendia essa opção desde a retomada do processo de compra de jatos militares pela Força Aérea Brasileira, há oito anos. A decisão final de Brasília enterrou de vez as chances de uma parceria estratégica entre Brasil e Estados Unidos no setor industrial, que seria construída em torno da aliança entre a Boeing e a Embraer.

Em junho passado, durante o 50th Paris Air Show, Marinho extraiu do presidente da Saab, Hakan Buskeh, a promessa de construção de uma fábrica de aeroestruturas em sua cidade, onde possivelmente os caças Gripen serão montados. Três meses antes, ele reunira-se com o vice-ministro das relações Exteriores da Suécia, Gunnar Wieslander, em Estocolmo, e recepcionara os reis suecos, Gustav e Silvia, em visita a São Paulo. Seu lobby em favor de um parque aeronáutico em São Bernardo do Campo, ancorado no investimento da Saab, era um dos mais teimosos no Ministério da Defesa.

O componente político seria relevante igualmente se a escolha da Força Aérea Brasileira (FAB) fosse pelo F18 Super Hornet ou o pelo Rafale, da francesa Dassault, segundo Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Washington e presidente do Conselho Superior de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). A proposta da França caiu por conta do custo mais alto. A oferta americana foi prejudicada pela descoberta da rede de espionagem dos EUA nos gabinetes de Brasília e na Petrobrás e pela reação brasileira - o cancelamento da visita de Estado da presidente Dilma a Washington, prevista para outubro passado. Mas, sublinhou Barbosa, sempre houve desconfiança no governo brasileiro sobre a dose real de transferência de tecnologia da Boeing à Embraer e a intromissão do Senado americano nessa parceria.

"Os acordos de Marinho com o governo sueco e a Saab certamente foram decisivos", afirmou. "Qualquer escolha teria uma motivação política. O que me surpreende não é a opção pelo Gripen, mas o momento escolhido pelo governo para anunciá-la", completou.

No dia anterior ao anúncio, o governo brasileiro declarou não considerado a carta aberta aos brasileiros, escrita por Edward Snowden, como um pedido de asilo político. Snowden foi o responsável pela divulgação à imprensa de documentos da Agência Nacional de Segurança (nas, na sigla em inglês) sobre sua rede de espionagem no mundo. Em especial, no Brasil. Ontem, o Itamaraty informou não ter recebido do americano, asilado temporariamente na Rússia, nenhuma solicitação formal. O governo brasileiro não ofereceu asilo a Snowden.

"A posição cautelosa do governo, em relação a Snowden, elimina qualquer potencial acusação americana de que a escolha dos caças se deu por considerações ideológicas de Brasília", avaliou. "O momento do anúncio foi muito apropriado."

Outro ex-embaixador em Washington, Roberto Abdenur, concordou estar ainda em evidência o escândalo de espionagem americana no Brasil, com sérias implicações negativas para a relação bilateral. Mas ponderou que a decisão em favor dos Gripen "não foi contra a americana Boeing e a francesa Rafale". A França, lembrou ele, manterá sua parceria estratégica com o Brasil, ampliada durante a recente visita do presidente François Hollande com a inclusão do projeto de compra de supercomputadores franceses.

Abdenur explicou ser importante também para o Brasil preservar as múltiplas áreas de diálogo e de cooperação com os EUA. Mas a recomposição da confiança mútua dependerá, inicialmente, de um pedido de desculpas pela espionagem da NSA. Barbosa vai mais longe nas exigências. Para ele, o governo de Barack Obama terá de fazer um primeiro gesto, como a elevação do Brasil ao mesmo nível de parceria estratégica mantida por Washington com a Índia e a Turquia. Caso contrário, interesses empresariais americanos no Brasil serão prejudicados, como o da Boeing.




Tópicos: Amorin, Caças, Lobby

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Deputado tem mandato suspenso

  • Deputado tem mandato suspenso
  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo