ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Mensalao

Presos no mensalão não representam símbolos da corrupção, diz Hage

Sem citar nomes, ministro-chefe da Controladoria-Geral da União disse que os corruptos mais 'emblemáticos' 'continuam soltos'

09 de dezembro de 2013 | 18h 12
Tânia Monteiro - Agência Estado

Brasília - Após discursar na cerimônia de comemoração do Dia Mundial de Combate à Corrupção e fazer um balanço dos 10 anos do trabalho da Controladoria-Geral da União, o ministro Jorge Hage, disse, em entrevista, que os presos do mensalão não representam os símbolos da corrupção no País. Para Hage, "os símbolos da corrupção, os emblemáticos, continuam soltos".

Ao ser questionado se o julgamento do mensalão e a prisão de condenados na Papuda poderia ser considerado um símbolo do combate à corrupção no País, Hage respondeu que "é importante sim porque mostra que as instituições quando querem, funcionam". "Mas eu diria que está muito longe de termos condenado símbolos da corrupção do Brasil." "Na minha opinião os símbolos da corrupção, os emblemáticos, continuam soltos".

Na cerimônia, Hage afimou que "há muitos avanços no combate à corrupção". Ressalvou, no entanto, que ainda há uma série de medidas necessárias a serem tomadas para que estas ações se tornem mais efetivas. E listou algumas delas: a reforma política, reforma no processo judicial e a participação mais efetiva dos Estados e municípios no combate às praticas criminosas.

Em seu discurso, o ministro lembrou avanços dos dez anos da criação da CGU, destacando que o Brasil acabou se tornando um exemplo mundial por causa de iniciativas como a criação do Portal da Transparência, as fiscalizações em municípios, a demissão de 4,3 mil servidores federais e a Lei de Acesso à Informação.

Para Hage, Estados e municípios devem acompanhar o que chamou de avanços do governo federal no o combate à corrupção no País.

Na opinião do ministro, o criminoso de colarinho branco que tem dinheiro para pagar bons advogados consegue usar recursos protelatórios, atrasando o julgamento de seus processos em 10, 15 ou 20 anos. "Isso ocorre muitas vezes com dinheiro obtido da corrupção."





Tópicos: Mensalão, Corrupção

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster

  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha
  • Peemedebista lança pré-candidatura em cima de um tanque de guerra



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo