ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Promotores apuram esquema de sonegação de IPTU

Primeiros indícios foram obtidos após análise de documentos de fiscais presos temporariamente

18 de janeiro de 2014 | 8h 53
ARTUR RODRIGUES, BRUNO RIBEIRO E FÁBIO LEITE - Agência Estado

Um novo esquema de sonegação de impostos, desta vez envolvendo o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), começou a ser investigado pelo Ministério Público Estadual.

Os primeiros indícios da existência do esquema foram obtidos a partir da análise de documentos apreendidos nos imóveis dos quatro fiscais presos temporariamente quando a máfia do Imposto Sobre Serviços (ISS) teve início.

"Não posso dizer boas perspectivas, porque quando é bom para a gente é ruim para a sociedade. Mas temos boas perspectivas de êxito na descoberta da fraude do IPTU", disse o promotor de Justiça Roberto Bodini, que lidera as investigações sobre o ISS.

IPTU


Em novembro, o prefeito Fernando Haddad (PT) divulgou haver suspeitas de fraudes no IPTU, dizendo que havia notícias de que a quadrilha mudava o cadastro de imóveis dentro da Secretaria Municipal de Finanças, reduzindo a área das propriedades, permitindo também a redução dos impostos.

Outra mudança era um esquema fraudulento de concessão de isenções para residências e prédios que, em tese, não teriam direito aos benefícios. Em gravações telefônicas grampeadas com autorização da Justiça, o fiscal Luís Alexandre Cardoso de Magalhães citou, a um interlocutor, a existência de ambos os esquemas - do ISS e do IPTU. O maior seria o do IPTU. No caso do ISS, a suspeita era de que a quadrilha tivesse causado prejuízo de R$ 500 milhões aos cofres públicos com a sonegação.

Vereadores


Os vereadores Aurélio Miguel (PR) e Antônio Donato (PT), citados no depoimento protegido divulgado ontem (17) por supostamente cobrar R$ 5 milhões do líder da máfia do ISS, Ronilson Bezerra Rodrigues, eram respectivamente presidente e relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) aberta na Câmara Municipal em 2009 para investigar fraudes no IPTU.

A testemunha disse que o dinheiro serviria para que os vereadores arquivassem a CPI. No entanto, outro depoimento, do auditor Eduardo Horle Barcellos, membro da máfia que aceitou colaborar com a Justiça, disse que o dinheiro foi pago para evitar a abertura de uma investigação sobre o ISS.





Tópicos: MP-SP, Investigação, IPTU

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo