ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

PT diminui renda de candidatos

Como candidato ao governo de SP, Alexandre Padilha vai receber do PT menos da metade do valor que Fernando Haddad ganhou quando concorreu à prefeitura, no ano passado

28 de janeiro de 2014 | 21h 47
Ricardo Galhardo - O Estado de S. Paulo

São Paulo - Um dos trunfos eleitorais do PT é o aumento da renda dos trabalhadores brasileiros nos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. No entanto, pelo menos em um segmento específico, o dos candidatos a cargos majoritários do partido em São Paulo, o PT tem causado uma queda de renda brutal.

Enquanto Fernando Haddad recebeu salários mensais de R$ 26 mil da direção municipal petista no período entre a desvinculação do Ministério da Educação e a posse como prefeito de São Paulo, Alexandre Padilha, que está prestes a abrir mão de um salário de R$ 20 mil no Ministério da Saúde para ser candidato a governador, vai ganhar menos da metade - R$ 10 mil - do diretório estadual do PT.

"Talvez seja porque o PT municipal tem mais dinheiro do que a gente", reagiu o secretário estadual de Comunicação do PT paulista, Aparecido Luis da Silva, o Cidão.  

O pagamento de salários para candidatos é uma prática recorrente no PT desde a campanha de Dilma, em 2010. Na época ela recebeu cerca de R$ 12 mil desde que deixou a Casa Civil até a posse. O valor foi calculado com base no maior salário da executiva nacional do PT. Além disso o PT pagava o aluguel de R$ 12 mil da casa em que Dilma morava com a mãe e a tia no Lago Sul, em Brasília.

O mesmo critério foi aplicado para definir os R$ 10 mil de Padilha, com a diferença de que o parâmetro agora é o teto salarial da executiva estadual - embora alguns petistas lembrem que R$ 10 mil é exatamente o valor repassado pelo Ministério da Saúde por integrante do programa Mais Médicos.

No ano passado, durante o lançamento do programa, Padilha foi questionado se os salários dos médicos estrangeiros seriam compatíveis com o padrão de vida brasileiro e respondeu: "não sei".

A pessoas próximas, Padilha disse não estar preocupado com a redução de sua renda pela metade já que, na condição de candidato, terá quase todas pagas pelo comando da campanha.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo