ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Mensalao

Renúncia de Genoino não impede aposentadoria por invalidez, diz Alves

Pedido do benefício foi feito em setembro passado e pode ser atendido se a junta médica considerar o ex-deputado inválido

03 de dezembro de 2013 | 15h 15
Eduardo Bresciani e Erich Decat - O Estado de S. Paulo

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou que a renúncia do deputado José Genoino (PT-SP) ao mandato não impede que venha futuramente a ter concedida a aposentadoria por invalidez. Ele observou que o deputado pediu o benefício em setembro e, portanto, poderá obtê-lo caso a junta médica da Câmara avalie futuramente sua situação de forma considerá-lo inválido.

Alves disse que ao se reunir a Mesa não tinha 'alegria' ao enfrentar caso, tido como 'constrangedor' - Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão
Alves disse que ao se reunir a Mesa não tinha 'alegria' ao enfrentar caso, tido como 'constrangedor'

Com a renúncia, anunciada nesta terça-feira, 3, o deputado petista evitou um processo de cassação.

"Naquela época, em setembro, ele já queria sua aposentadoria por invalidez. Como precisa de 90 dias, vamos aguardar", afirmou Alves.

Ele afirmou que ao se reunir a Mesa não tinha "alegria" ao enfrentar o caso, tido como "constrangedor". "Evidentemente não foi uma reunião que nos trouxesse alegria, porque é um tema constrangedor para essa Casa a análise desse procedimento", disse.

Três deputados tinham votado pela abertura de processo de cassação, Fábio Faria (PSD-RN), Simão Sessim (PP-RJ) e Márcio Bittar (PSDB-AC), quando o vice-presidente da Casa, André Vargas (PT-PR), interpelou Alves se ele manteria sua proposta também nesta direção. O presidente da Câmara disse que defenderia sim a abertura do processo.

Como tinha o apoio apenas do quarto-secretário Antonio Carlos Biffi (PT-MS) na defesa de impedir a cassação enquanto Genoino estivesse de licença médica, Vargas entregou à Mesa a carta de renúncia. Único que não tinha votado até então, Maurício Quintella Lessa (PR-AL) afirmou que apoiaria a maioria a proposta de abrir o processo, mas com a renúncia o procedimento foi ao arquivo.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo