Servidores em greve chegam a 350 mil, dizem líderes

Paralisações atingem mais de 30 setores em todos os Estados; governo diz que se todos os reajustes fossem concedidos, haveria impacto de R$ 92 bi nas contas na União

Hugo Bachega, da Reuters

24 Julho 2012 | 17h32

Servidores federais de diversos órgãos e ministérios estão em greve em todos os Estados, reivindicando recomposição salarial e restruturação de carreira, entre outros pontos.

Professores de universidades federais estão parados desde 17 de maio e a maioria dos demais servidores cruzou os braços em 11 de junho. Nas agências reguladoras, o movimento foi iniciado em 16 de julho.

Veja abaixo outras informações sobre as greves:

Quantos são. A estimativa dos sindicatos é que 350 mil servidores aderiram à greve, que atinge mais de 30 setores em todos os Estados, segundo a Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef).

O governo, porém, diz que a adesão não chega à metade desse número.

O que querem. Entre as reinvidicações dos grevistas estão recomposição salarial, reestruturação da carreira, mais concursos e melhores condições de trabalho. Os pedidos de aumento variam de 4 por cento a 150 por cento, dependendo da categoria.

O que diz o governo. Para o governo, seria impossível atender todos os reajustes diante da necessidade de conter o aumento de gastos devido às incertezas provocadas pelo crise econômica internacional, que deve continuar a provocar efeitos no Brasil em 2013.

O impacto nas contas da União, caso todos os reajustes fossem concedidos, seria de 92 bilhões de reais anuais, o que representa metade da atual folha de pagamentos, segundo o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Responsável pelas negociações, o Planejamento diz estar fazendo estudos técnicos para indicar a viabilidade de atender algumas das reivindicações.

Quem são. A greve atinge servidores em Brasília dos ministérios da Agricultura, Desenvolvimento Agrário, Integração Nacional, Justiça, Planejamento, Previdência Social, Saúde e Trabalho.

Funcionários do Ministério da Saúde também estão parados nos Estados de Amazonas, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Paraíba, Rondônia e Sergipe.

A paralisação também é feita por professores das universidades federais e funcionários de órgãos federais em diversos Estados.

Os mais atingidos são Eletrobras, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Fundação Nacional da Saúde (Funasa), Fundação Nacional do Índio (Funai), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Incra.

O movimento também atinge as agências reguladoras, como Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Mais conteúdo sobre:
Greves servidores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.