ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

STF debate alcance do segredo de Justiça

12 de dezembro de 2009 | 8h 50
AE - Agencia Estado

Os argumentos usados por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento que manteve a censura ao Grupo Estado mostra que, a depender de alguns magistrados, jornalistas poderão ser proibidos de publicar detalhes de processos que correm em segredo de Justiça ou trechos de interceptações telefônicas captadas durante investigações policiais. Esse tema específico nunca foi decidido pelo tribunal e há casos de jornalistas processados por publicar detalhes de investigações sigilosas ou, como no caso do Grupo Estado, impedidos previamente de publicar os dados. Parte dos ministros, entre eles Celso de Mello e Carlos Ayres Britto, entende que a liberdade de imprensa permite a publicação dos dados. Mas outros ministros indicaram que esta tese não é pacífica.

O ministro Eros Grau, por exemplo, afirma ser possível impedir por via judicial a publicação de matérias. "O juiz não está limitado pela lei. O censor não está limitado por lei alguma. Aí não há censura. Há aplicação da lei", disse na quinta-feira. O presidente do STF, Gilmar Mendes, que votou pelo arquivamento do recurso do jornal, afirmou que a liberdade de expressão e de imprensa "não pode permitir que alguém grite fogo num teatro lotado". "Esse direito comporta limitações", disse. Por esse entendimento, os jornalistas poderiam ser acusados de violar o segredo de Justiça e o direito ao sigilo das comunicações telefônicas. A lei das interceptações telefônicas, que foi usada para embasar a censura ao Grupo Estado, prevê pena de reclusão de dois a quatro anos para quem quebrar segredo da Justiça, sem autorização judicial ou com objetivos não autorizados em lei. Os detalhes de processos sob sigilo só poderiam ser publicados depois de julgado o caso ou se o magistrado julgasse não ser mais necessário o segredo.

Na outra direção, o ministro Celso de Mello adiantou que escreverá expressamente no acórdão do julgamento que entende não ser possível punir um jornalista que publique conversas captadas em interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça. A obrigação de manter o sigilo, afirmou o ministro, não compete aos jornalistas, mas é obrigação das autoridades que lidam diretamente com o processo: o juiz, o integrante do Ministério Público e os policiais que participam da investigação. O Código Penal prevê pena de detenção de seis meses a dois anos para quem revelar fato de que tem ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo. Mas não há especificamente previsão de punição para o jornalista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Tópicos: Justiça, Imprensa, Estadão

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Deputado tem mandato suspenso

  • Deputado tem mandato suspenso
  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo