ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Mensalao

Supremo autoriza transferências de Corrêa e Henry

Ao todo, sete condenados do mensalão já conseguiram autorização para serem transferidos para cidades onde moram as famílias

20 de dezembro de 2013 | 19h 17
Mariângela Gallucci - Agência Estado

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, autorizou as transferências dos ex-deputados Pedro Corrêa e Pedro Henry, que cumprem pena no complexo penitenciário da Papuda, em Brasília. Condenados a 7 anos e 2 meses de prisão cada um por envolvimento com o mensalão, os ex-parlamentares pediram para cumprir as penas próximos a parentes. Corrêa irá para Pernambuco; Henry, para Mato Grosso.

Contabilizados os pedidos dos ex-congressistas, Joaquim Barbosa autorizou até agora sete transferências de réus do mensalão. Além de Henry e Corrêa, os ex-dirigentes do Banco Rural Kátia Rabello, José Roberto Salgado e Vinícius Samarane, o ex-deputado Romeu Queiroz e a ex-funcionária de agência de publicidade Simone Vasconcelos conseguiram autorização para cumprir as penas nas cidades onde vivem suas famílias.

O STF já determinou a execução das penas de 20 condenados por envolvimento com o mensalão. O ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, também considerado culpado pelo STF, está foragido, provavelmente na Itália. O tribunal ainda precisa julgar recursos de três condenados, entre eles o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP). Mas isso somente deve ocorrer em 2014.

Além disso, o relator do processo do mensalão e presidente do STF, Joaquim Barbosa, precisa definir as situações dos ex-deputados José Genoino e Roberto Jefferson, também condenados. Os dois sustentam que estão doentes e que, por esse motivo, precisam cumprir as penas em casa. Genoino chegou a ficar menos de uma semana na Papuda, mas, após alegar problemas cardíacos, deixou o presídio.

Manifestação. Um grupo de cerca de dez pessoas iniciou nesta sexta-feira, 19, uma manifestação em frente ao Supremo para protestar contra as prisões dos mensaleiros. Eles começaram a lavar a estátua da Justiça, mas foram interrompidos por aproximadamente 30 seguranças do STF. Houve bate boca e os seguranças recolheram vassouras e baldes que estavam com os manifestantes.

Mais cedo, o grupo havia encaminhado e-mail para jornalistas anunciando que eram esperados 200 militantes para o ato "Baldaço no STF".




Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo