Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

Controle natural para flor e horta

Em morangos e flores, ácaro rajado é detido pelo ácaro predador. Já no pimentão, percevejo controla a tripes

05 de agosto de 2009 | 3h 41
Fernanda Yoneya - O Estado de S.Paulo

Ferramenta estratégica do manejo integrado de pragas, o controle biológico já tem uso consagrado em lavouras como soja e cana. Agora, a técnica começa a ganhar demanda em cultivos pequenos, de frutas, flores e hortaliças. "É uma forma de agregar valor", diz o técnico agrícola Clementino Moreira, da Fazenda Elisa, em Jarinu (SP), que adotou a técnica em 120 metros quadrados de morango. "Não usamos mais químicos e está dando certo, além de valorizar o produto em 60%." O controle do ácaro rajado, principal praga do morango, é feito com um ácaro predador, que consome ovos, larvas, ninfas e indivíduos adultos da praga, que, se não for monitorada, provoca perdas de até 90%. "É por causa desse ácaro que o morango leva tanto veneno", diz Moreira.

O técnico Clementino Moreira coloca os ácaros predadores no morango para controle do ácaro rajado - Fotos: Keiny Andrade/AE
Fotos: Keiny Andrade/AE
O técnico Clementino Moreira coloca os ácaros predadores no morango para controle do ácaro rajado

RESISTÊNCIA
O fato de a praga se reproduzir rápido a torna cada vez mais resistente aos acaricidas. "Há produtor que faz 20 aplicações por safra." A meta é expandir o controle biológico para todo o plantio, de 18 mil pés. "No primeiro ano, devemos reduzir de 12 para 2 aplicações de acaricida. No segundo, a ideia é usar só controle biológico."

Veja também:
linkLegislação precisa mudar, diz pesquisador
linkMonitoramento constante da área é essencial

Segundo Moreira, o monitoramento da área é crucial. "Pelo menos uma vez por dia, venho com a lupa e olho folha por folha. Se houver até cinco ácaros por folíolo, faço o controle."

O controle biológico também é importante em áreas de cultivo nas quais o químico não é tão eficiente. "A tripes, principal praga do pimentão, fica escondida na flor, e muitas vezes o químico não alcança", diz o agrônomo Renato Braga, da Sakata, em Bragança Paulista (SP), que usa percevejos para controlar a praga em mil metros quadrados. Para manter o inimigo natural na área, vasos de picão preto - planta usada pelo percevejo para pôr seus ovos - foram postos na casa de vegetação. "Tudo o que ajuda a evitar o químico é usado."


PIMENTÃO SEM VENENO - Na Sakata, percevejo contra a tripes


"Além do dano mecânico, que desvaloriza o produto, a tripes transmite viroses", diz Braga. "Na área onde soltamos os percevejos não há tripes." Segundo ele, ainda aplica-se, uma vez por semana, inseticida, mas outros produtores chegam a fazer até três aplicações semanais. "O controle biológico também elimina o problema de carência dos produtos químicos e o acesso à área é livre."

O produtor de rosas Celso Oikawa, de Atibaia (SP), conta que, graças ao controle biológico do ácaro rajado, já ficou mais de seis meses sem usar acaricida. Oikawa usa o controle biológico há um ano e meio, em 2 hectares, e redobra o monitoramento na época seca, a preferida para a praga atacar. "O produto químico, depois da décima aplicação, não faz mais efeito." Ele diz que, embora o controle biológico não seja barato, vale a pena. "A praga cria resistência rápido. O controle biológico é mais eficaz."

QUASE SEM QUÍMICOS
Em Mogi das Cruzes, o produtor de mudas de flores César Hiroshi Kameoka calcula ter reduzido o uso de químicos em 80%, depois que adotou o controle biológico, há um ano e meio, em 2.500 metros quadrados. "A cada 15 dias, solto 100 ácaros por metro quadrado nas mudas, para controle do inseto Fungus gnats", diz. "Fazia pelo menos duas aplicações de inseticida por semana. Funcionava, mas gastava muito, tinha que usar equipamento de proteção individual e se houvesse gente trabalhando na estufa tinha que sair. Com o controle natural, otimizo o tempo dos funcionários e evito contaminações. O custo é maior, mas ganho de tempo."






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo