Imagem e semelhança

A representação digital de cada um na internet – o ‘avatar’ – revela muito sobre a personalidade de seu dono fora da rede e pode até alterá-la

Fred Leal e Rafael Cabral,

07 Março 2010 | 14h47

A forma como você se representa online – algo que parece trivial e desimportante – diz muito sobre quem você é na web e, mais do que isso, pode até mudar a maneira como você se enxerga no mundo offline. O termo "avatar" não diz respeito apenas ao personagem virtual assumido em metaversos como o falido Second Life: a personalização de protagonistas em games e a foto escolhida para se colocar num perfil em rede social ou no MSN também são avatares. Escolher a imagem de um personagem público, uma foto tirada de cima para baixo, um retrato mostrando esse e não aquele ângulo – os menores detalhes podem falar muito sobre a forma que você quer visto online. Prova disso é uma pesquisa divulgada pelo site de encontros americano OkCupid, que analisou 7 mil fotos para entender a diferença entre as pessoas bem sucedidas e aquelas que não arranjam companhia. O estudo mostra, por exemplo, que homens que posam com animais de estimação em seus avatares são os mais visados pelo sexo oposto, talvez por fugirem do estereótipo do machão que mostra o muque (também popular, vindo logo depois na lista). Já as mulheres com cachorros ou gatinhos no colo são as menos clicadas, abaixo até das fotos que as mostram bêbadas. Vai entender... Isso mostra que, quando conhecemos alguém na internet, pensamos imediatamente no que o seu avatar diz – e não adianta se esconder atrás de personagens de videogame, pois eles também representam algo. É o equivalente virtual à primeira impressão, cara a cara. Mais do que isso: dependendo do quão profunda é a relação da pessoa com uma rede social ou um game em que é representado por um bonequinho, aquele imagem pode até mesmo alterar a sua vida cotidiana. É isso o que Nick Yee  chamam de Efeito Proteus. Por meio de vários experimentos, os acadêmicos concluíram que a imagem digital pode sim mudar a maneira como a pessoa se encara. A conclusão é a mesma do professor Hal Ersner-Hershfield, da Universidade de Northwestern, que expôs 50 voluntários a uma imagem em realidade de virtual de como eles se pareceriam ao 70 anos. Quando já estavam familiarizados com uma cara cheia de rugas, essas pessoas eram questionadas sobre assuntos como seguro de vida e previdência. O resultado? Todos ficaram mais cautelosos. "Isso mostra que avatares podem sim alterar as pessoas", conclui. ENTREVISTA NICK LEE, acadêmico 'A pessoa pode traços do avatar no seu cotiniano offline' Você pode descrever as suas pesquisas com avatares e a realidade virtual? Usando ambientes de realidade virtual, descobrimos que avatares de pessoas altas fazem que os voluntários se imponham mais em negociações, se os outros participantes aparentarem ser mais baixos. Também percebemos que, se portarem um avatar de uma pessoa mais atraente do que são na vida real, as pessoas tendem a buscar parceiros ou parceiras tão ou mais atraentes. E isso não funciona apenas no experimento, mas vaza às vezes para a vida real. Esses experimentos confirmam que avatares podem mudar a percepção que fazemos de nós mesmos? Por esse estudo e por outros similares, descobrimos que a aparência que cada pessoa espelha em seu avatar pode, sim, mudar o seu comportamento em outros ambientes. Por ser mais alta ou atraente em um ambiente digital, a pessoa pode, internamente, assumir essas características e começar a agir de acordo com elas em seu cotidiano offline. Essa mudança pode tem um reflexo em longo prazo ou seu efeito é apenas imediato? Em alguns casos, talvez ela possa ter reflexo em longo prazo. Mas não sabemos ao certo, já que essa é uma área relativamente recente de pesquisa acadêmica. Ainda não temos estudos conclusivos sobre a repercussão em longo prazo, mas em curto prazo, podemos sim mudar a maneira como encaramos certos aspectos da nossa personalidade a partir do avatar. CARDOSO X CARDOSO O escritor André Czarnobai ficou conhecido como Cardoso por toda a internet brasileira devido ao sucesso de seu e-zine, o CardosOnline. Após o fim do e-zine, Cardoso tornou-se um prolífico blogueiro. Em 2005, o escritor cansou do blog e, nesse meio tempo, outro polêmico Cardoso começou a agitar a internet com seu sarcasmo e seu avatar de Dr. House. Carlos Cardoso, autor do blog Contraditorium, ficou conhecido com o perfil @Cardoso no Twitter – um dos mais seguidos do Brasil e que ainda causa confusão entre leitores. André agora é @Kidids na rede social, mas continua assinando seu blog como Cardoso. Carlos Cardoso também.   NÚMEROS • 2 vezes mais mulheres sorriem o dobro do que homens na foto do avatar • 30 por cento menos mensagens são enviadas para mulheres com mais de 30 anos • 25 anos é a idade nas mulheres em que fotos ao ar livre se tornam mais populares que fotos de corpo inteiro ou decote • 1/3 das mulheres recebe 2/3 de todas as mensagens enviadas em sites de namoro • 80% dos homens são considerados pelas mulheres como abaixo da média de beleza   AVATARES BEM INTENCIONADOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.