Uma mesa with a view: Ducasse à altura da Torre Eiffel

Jules Verne: paredes de vidro abrindo para Paris O Jules Verne oferece uma vantagem ímpar: a transformação de um passeio turístico num programa gastronômico. O restaurante fica no segundo piso da Torre Eiffel. O programa começa no elevador privativo, envidraçado. No desembarque, a visão que se tem é a da moderna cozinha, ali se faz a finalização dos pratos; a preparação é feita na cozinha do subsolo, onde também está a adega com 80 mil garrafas. A decoração do restaurante não é lá essas coisas, teto preto, carpete bege-escuro, poltronas de couro. Mas com as paredes de vidro voltadas para Paris ninguém olha isso. Veja também: Alegrias e decepções em Paris O überinspetor que visita o mundo Chuva de trufas no novo restaurante triestrelado Como boas-vindas, o maître traz um amuse-bouche notável, um creme espesso de abóbora e vieiras, com trufas picadinhas, morno. Seguem-se as endívias assadas com presunto e servidas com delicado molho de trufas e uma impecável terrine de foie gras e peito de frango prensado com trufas picadinhas e molho de trufas. vieiras com macarrão gratinado; lagostins grelhados no ponto escoltados por uma delicadíssima mousseline de ervilhas - esse foi o prato mais impressionante do almoço. Leve, com intenso sabor de ervilhas frescas de um verde bem vivo num belo contraste com os lagostins avermelhados. Na sobremesa, suflê de chocolate ao leite, escoltado por sorvete de baunilha. Ponto alto: lagostins e mousseline Abre de dia e de noite, mas o maître diz que o melhor momento para estar ali é às 7 da noite, quando o sol está se pondo e as luzes da cidade já estão acesas.

Patrícia Ferraz,

05 Março 2009 | 09h59

Mais conteúdo sobre:
Paladar Michelin Paris Jules Verne

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.