Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Carreira de historiador tem diversas opções de atuação além do magistério

A carreira de historiador expandiu-se muito nos últimos anos além da tradicional atividade de magistrado, informa a  coordenadora do curso de graduação de história da Universidade de São Paulo (USP), Sylvia Bassetto.

Jennifer Gonzales, O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2011 | 13h54

 

“Hoje, esse profissional pode trabalhar em museus, editoras de publicações institucionais e emissoras de TV”, exemplifica. “Muitos historiadores fazem pesquisa para novelas de época e para produção de documentários”, acrescenta Sylvia.

 

No caso de grandes companhias e multinacionais, é cada vez mais comum possuírem centros de memória ou documentação, diz a coordenadora, a fim de  preservarem sua trajetória empresarial. “Devido a essa ampliação de opções de trabalho para o historiador, procuramos instrumentalizar o aluno, ensiná-lo  a gerenciar informações que devem ser registradas em arquivos documentais. Por isso, ele precisa adquirir uma sólida formação como pesquisador”, diz a  coordenadora e professora de metodologia.

 

A aluna Jéssica Pereira Pinto, de 21 anos, vem constatando essas mudanças desde que entrou no curso (ela passou para o 4º ano em 2011). “Escolhi  história pensando em dar aulas quando me formasse, mas descobri que há muitas outras alternativas”, diz Jéssica. “Posso trabalhar com pesquisa em arquivos de bibliotecas e estudar a obra de diferentes escritores.”

 

Opinião da especialista

 

“Com a ampliação do mercado de trabalho para o historiador, procuramos instrumentalizar o aluno, ensiná-lo a gerenciar informações que serão  registradas em arquivos.”

Sylvia Bassetto, coordenadora do curso de História da USP

 

HISTÓRIA

 

- Salário inicial: variável

 

- Duração do curso: 8 semestres

 

- Disciplinas: Teoria da história, introdução à arquivologia, história do Brasil, história da América, história moderna, história contemporânea

Mais conteúdo sobre:
História historiador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.