Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Ciência
Início do conteúdo

Imagens em infravermelho confirmam impacto em Júpiter

Nuvem brilhante que aparece nessa faixa de luz representa destroços do impacto flutuando na atmosfera

21 de julho de 2009 | 13h 35
Carlos Orsi, do estadao.com.br

A Nasa divulgou na noite de segunda-feira, 20, imagens em infravermelho que dão sustentação à hipótese de que o planeta Júpiter foi atingido, recentemente, por outro astro, um cometa ou asteroide. Os autores da foto em infravermelho, os astrônomos Glenn Orton e Leigh Fletcher, já haviam defendido a ideia do impacto em entrevista ao estadao.com.br, na tarde de ontem.

Astrônomos veem sinal de novo grande impacto em Júpiter

A nota da Nasa que acompanha as fotos lembra que a descoberta do sinal da colisão acontece 15 anos após o primeiro, e até agora único, impacto entre dois astros do Sistema Solar já acompanhado por cientistas - o mergulho de fragmentos do cometa Shoemaker-Levy 9 na atmosfera de Júpiter.

Imagem em infravermelho mostra a nuvem de destroços flutuando sobre a marcda do impacto. Nasa

O sinal de um possível impacto em Júpiter havia sido detectado inicialmente por um astrônomo amador, o australiano Anthony Wesley. Seguindo a dica de Wesley, Orton e Fletcher usaram o Telescópio Infravermelho mantido pela Nasa no Havaí, para reunir evidências da colisão.

As imagens em infravermelho mostram uma marca escura perto do Polo Sul, e partículas brilhantes na atmosfera superior. A mancha brilhante representa o calor do Sol sendo refletido por partículas de material que flutuam acima da atmosfera. Essas partículas possivelmente são vestígios de alguma coisa que atingiu o planeta e explodiu.

"Poderia ser o impacto de um cometa, mas ainda não temos certeza", disse Orton. Falando à revista britânica NewScientist, Fletcher disse que a cicatriz deixada pelo impacto parece ter o tamanho do planeta Terra.

Imagem em infravermelho do local da colisão obtida pelo telescópio infravermelho Keck 2. Divulgação

Outro telescópio infravermelho baseado no Havaí, o Keck 2, também obteve imagens da nuvem de dejetos produzida pela colisão. Segundo nota divulgada pelo observatório W.M. Keck, que abriga o telescópio, as imagens são consistentes com o tipo de ejeção de material observada durante o impacto do Shoemaker-Levy 9, em 1994.







Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Espécie de ave em extinção é reintegrada à natureza

  • Espécie de ave em extinção é reintegrada à natureza
  • Busca pela vida em águas profundas chega ao fim em Santos
  • Estudo investiga biodiversidade das ilhas Cagarras



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo