Reprodução/Reuters
Reprodução/Reuters

Indústria do petróleo não tem equipamento para impedir vazamento como o dos EUA, diz professor

Para o diretor de Tecnologia e Inovação da Coppe/UFRJ, há necessidade de organização dos envolvidos

27 Maio 2010 | 16h31

RIO DE JANEIRO - O diretor de Tecnologia e Inovação da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), Segen Estefen, disse em entrevista à Agência Brasil que a indústria petrolífera mundial não está equipada para lidar com acidentes ocorridos a grandes profundidades que resultem em vazamentos de grandes proporções e fujam do controle.

 

Segundo ele, a despeito de todos os avanços do setor, a indústria do petróleo mostrou que não dispõe de um procedimento testado que possa interromper vazamentos descontrolados como esse da parte americana do Golfo do México. "Não existe uma embarcação que possua os equipamentos adequados para vedar o poço em um caso extremo."

 

Estefen afirmou que uma das conclusões do seminário "Segurança na Exploração e Produção de Petróleo no Mar - Prevenção e Contingência", promovido pela UFRJ nesta semana, é que há necessidade de organização dos setores envolvidos com a atividade para enfrentar os desafios que surgirão com a exploração de petróleo em águas cada vez mais profundas, como é o caso do pré-sal brasileiro.

 

"Isso deve ser tratado com cuidado, porque é inaceitável que não tenhamos meio de interromper um vazamento desse porte", afirma.

 

O professor da UFRJ disse que o dever de casa, a partir da experiência do vazamento no Golfo do México, é a consciência da necessidade de se discutirem formas de dar maior atenção aos sistemas de segurança, de modo que se possa desenvolver um equipamento que venha a ser embarcado e em condições de fazer o trabalho de tamponamento mesmo em casos extremos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.