Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Educação
Início do conteúdo

Polícia investiga escola que pediu a aluno que cortasse cabelo crespo

De acordo com a mãe, direção do colégio impediu a rematrícula da criança

05 de dezembro de 2013 | 11h 56
Victor Vieira - O Estado de S. Paulo

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar uma escola privada de Guarulhos, na Grande São Paulo, por suspeita de racismo contra um menino de 8 anos. Segundo a denúncia da mãe, a diretoria do colégio havia pedido ao garoto que cortasse o cabelo, de estilo "black power", por ser “inadequado”, e depois impediu a rematrícula da criança.

Diretora teria pedido ao garoto que cortasse o cabelo - Arquivo pessoal/Divulgação
Arquivo pessoal/Divulgação
Diretora teria pedido ao garoto que cortasse o cabelo

A educadora Maria Izabel Neiva, de 37 anos, disse que a escola enviou em agosto um bilhete pela agenda do filho, Lucas Neiva, recomendando que ele usasse corte de cabelo mais apropriado. "Com todo o preconceito que existe, já é difícil mostrar a meu filho que ele é bonito desse jeito", relatou.

No encontro com a diretora do colégio, que durou quase três horas, Maria Izabel argumentou que o corte de cabelo não prejudicava o filho em sala de aula. "Ela falou que os outros alunos não conseguiam enxergar a lousa e que a escola não permite 'extravagâncias'", afirmou.

Segundo a mãe, a diretora foi debochada e ainda reafirmou que o cabelo de Lucas era "cheio e crespo". "Ela também disse que o Lucas era tratado com todo carinho no colégio e que não fazia sentido que eu me sentisse intimidada". A criança passou a ser vítima de chacota dos colegas após a advertência da diretoria.

Barrado. Maria Izabel reclama que, nas semanas seguintes, não recebeu qualquer aviso da diretoria sobre o período de rematrícula. "Somente na reunião de pais, na semana passada, tive informação sobre isso. Falaram que eu perdi o prazo e que o Lucas deveria entrar na fila de espera", disse a autora da denúncia, que classificou o caso como "absurdo".

De acordo com a Polícia Civil, outra mãe de aluno deve depor sobre o caso de suposto racismo. A mulher teria conseguido, após a recusa a Maria Izabel, requerimentos de matrícula na quarta série sem a necessidade de cadastro na fila de espera. A polícia também informou que a escola foi notificada sobre o inquérito e a diretora deve comparecer ao 3º Distrito Policial da cidade para dar depoimento nesta segunda-feira, 9.

Procurado, o colégio Cidade Jardim Cumbica ainda não respondeu aos questionamentos da reportagem.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo