Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Educação
Início do conteúdo

Trote com teor racista causa indignação nas redes sociais

Evento foi realizado na última sexta-feira por estudantes da faculdade de Direito da UFMG

18 de março de 2013 | 18h 19
Estadão.edu

Fotos do trote realizado na última sexta-feira, 15, por estudantes da faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) têm gerado polêmica das redes sociais. As imagens, consideradas racistas, têm causado indignação entre estudantes, da instituição inclusive.

Em uma das fotos, uma caloura pintada de preto aparece acorrentada junto a uma placa com a inscrição “caloura Chica da Silva”. Em outra imagem, três estudantes, um deles com um bigode semelhante ao do ditador Adolf Hitler, fazem saudações nazistas ao lado de um calouro preso a uma pilastra com fita adesiva.

No Facebook, um evento convocado pela Assembleia Nacional dos Estudantes (Anel) e pelo o Movimento Mulheres em Luta (MML) convida estudantes, entidades e coletivos da UFMG para uma reunião que vai discutir ações contra o trote racista e machista ocorrido na Faculdade de Direito. "É inaceitável que na Universidade práticas machistas, racistas homofóbicas não sejam combatidas", afirmam na descrição do evento, programado para esta segunda, 18.

As fotos ganharam repercussão após serem publicadas pelo perfil “Dilma Bolada” no Twitter. O perfil falso da presidente Dilma Rousseff criticou a medida tomada pelos estudantes: "Que absurdo é esse? Exijo que este estudante de Direito seja jubilado da UFMG!", comentou, referindo-se primeiro à foto da caloura "Chica da Silva". Em seguida, em outro post, completou: “Não podemos tolerar, nos dias de hoje, racismo em nosso país! Nada que envolva isso pode considerado 'brincadeira'. Completo absurdo!”.

No final da tarde desta segunda-feira, a assessoria de comunicação da UFMG divulgou uma nota oficial assinada por Clélio Campolina Diniz, reitor da UFMG, e Rocksane de Carvalho Norton, vice-reitora da instituição. No documento, afirmam que a direção da universidade "repudia quaisquer atos de violência, opressão, constrangimento ou equivalentes, praticados contra membros da comunidade universitária, em particular aqueles relacionados aos chamados 'trotes' aplicados aos novos estudantes."

Com esse espírito, a instituição se manifesta "veementemente contrária" ao ocorrido na Faculdade de Direito e diz que já iniciou procedimentos cabíveis para apuração dos fatos e punição dos envolvidos.





Tópicos: Trote, UFMG, Racismo

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo