Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Educação
Início do conteúdo

Unicamp pede reintegração de posse de prédio da reitoria

Cerca de 400 estudantes mantêm ocupação contra a permissão da entrada da Polícia Militar nos campi; funcionários relatam depredação

04 de outubro de 2013 | 12h 23
Ricardo Brandt - O Estado de S. Paulo

CAMPINAS - Cerca de 400 estudantes permanecem acampados dentro da reitoria da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em protesto contra a permissão da entrada da Polícia Militar nos campi de Campinas, Limeira e Piracicaba, dada após a morte de um aluno, durante uma festa clandestina na universidade. A Unicamp informou que entrou com um pedido de reintegração de posse na Justiça.

O prédio da reitoria foi invadido na noite de quinta-feira, 3, após uma assembleia promovida pelo Diretório Central Estudantil (DCE) para discutir o assunto. Vidros foram quebrados, paredes e computadores pichados e armários tombados. Durante a madrugada, alunos encapuzados subiram no telhado do prédio.

Os funcionários da Unicamp que chegaram para trabalhar na manhã desta sexta-feira, 4, foram dispensados, porque os estudantes impedem a entrada de pessoas no local. Um funcionário que trabalha no prédio foi liberado para buscar um remédio em sua mesa e relatou que o local está destruído.

"Tudo foi revirado. É triste", afirmou o auxiliar administrativo João Marques. Um dos diretores do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU), Antônio Alves Neto, no entanto, minimizou os estragos. "Algo normal para uma ocupação", disse ele. O sindicato também é contra a entrada da PM no câmpus.

O policiamento foi aceito pela reitoria da Unicamp no último dia 26, após o assassinato do estudante Dênis Papa Casagrande, de 21 anos, aluno do segundo ano de Mecatrônica. Um dia antes, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), colocou à disposição a PM para fazer a segurança interna.

O estudante levou uma facada no peito e depois foi espancado por um grupo de aproximadamente 15 punks, durante uma festa clandestina que acontecia dentro do câmpus, na madrugada do dia 21.

Reintegração. Com cartazes e pichações "Fora PM" e "contra a militarização do campus", os estudantes afirmam que só deixarão o prédio quando a reitoria cancelar a permissão para policiamento no local.

"A reitoria está usando o crime para fazer algo que quer há muito tempo, que é militarizar o espaço", criticou Diana Nascimento; de 23 anos, uma das coordenadoras do DCE. Em nota, o grupo que se intitula "Ocupação Unicamp 2013" afirma que "desde agosto, a reitoria vem negociando com o governo Geraldo Alckmin para intensificar a repressão à comunidade acadêmica se utilizando da força policial".

"Não nos faltam exemplos de truculência e autoritarismo por parte da Polícia Militar em todo País", afirma a nota, ao citar a repressão contra a greve de professores no Rio de Janeiro e também o caso do pedreiro Amarildo, que despareceu em julho na Favela da Rocinha.

Pela internet, o grupo de estudantes pede a doação de colchões e mantimentos para permanecer no prédio, por tempo indeterminado, e convocou mais estudantes para tomarem o local.

Reintegração. A Unicamp informou que entrou com um pedido de reintegração de posse na Justiça. A PM acompanha a ocupação à distância. O delegado da Polícia Civil, Osvaldo Diez, esteve na reitoria para verificar o dano ao patrimônio e foi registrado um boletim de ocorrência.

A Unicamp divulgou nota em que considera "lamentável" a ocupação e a depredação do prédio da reitoria. "Esta invasão, sem prévia apresentação de uma pauta de demandas por parte dos invasores, é injustificável sob qualquer ponto de vista", informou a reitoria.

Na nota, a universidade defendeu que a presença da PM no câmpus "diz respeito a um problema de segurança pública e não a uma tentativa de intimidação ou cerceamento das atividades relacionadas ao contexto acadêmico".





Tópicos: Unicamp, Ocupação

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo