Ato Democrático pela Libertação dos Presos Políticos.
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ato Democrático pela Libertação dos Presos Políticos.

André Liohn

02 de julho de 2014 | 02h27

Se você é um daqueles que acha que todos tem direito de protestar mas que não protesta porque se diz contra quebra quebra, ou se você é um daqueles que não participa das manifestações porque disse que até agora nada de útil foi discutido, então, chegou a hora de você sair de casa e se juntar ao novo movimento que acaba de nascer em São Paulo.

Hoje, um grupo bem organizado, buscando politizar o debate sobre os problemas brasileiros, juntou-se de forma pacifica e, por mais que eu não goste do termo, de forma ordeira na praça Roosevelt para debater o atual endurecimento autoritário que o estado vem impondo contra todo tipo de manifestação.

A nova proposta a partir de hoje é debater e não quebrar, o que não impedirá, infelizmente, que você, pelo menos nos próximos encontros, volte para casa sem ter sofrido nenhum tipo de abuso cometido pelo estado através das mãos, cacetetes, gás ou bombas da policia militar.

O encontro de hoje, por sua civilidade, deixaria muitos pessimistas sem saber o que pensar ou como agir. E já que estamos em copa, seria algo parecido com os japoneses que ao limparem os estádios depois dos jogos, conseguiram tocar a sociedade brasileira de forma mais contundente do que qualquer ofensa contra a presidente do pais.

O grupo de manifestantes que estava ali presente mostrou ter entendido que a tática Black Block, copiada de países europeus, não faz sentido em um pais como o Brasil onde o cidadão só é considerado bem sucedido, quando este consegue viver sem precisar do estado para nada.

Infelizmente, parece que a policia militar emprega muitos dos pessimistas brasileiros e que estes pessimistas, para piorar as coisas, estavam de plantão hoje a noite.

Sem saber como reagir ao movimento pacifico dos manifestantes, centenas de policiais cercaram a praça. Até ai tudo bem, sinceramente, acho que precisamos de policiais mais politizados e o estado, não havia tapado as orelhas de todos os que estavam ali presentes. O problema começa quando sem saber o que fazer, a policia age de forma truculenta sem ter motivos para isso. Mesmo com uma manifestação pacifica do começo ao fim, bombas de gás foram lançadas, balas de borracha disparadas e 6 pessoas foram presas. Isso tudo sem que o pequeno grupo de manifestantes, em nenhum momento, perdesse de vista o entusiasmo e a proposta que os reuniu ali. O debate continuou.

As vezes, parece que a policia militar não vê “função” no povo, então, como podem cidadãos carregando uniformes, esperar que o povo veja qualquer função na instituição da qual eles fazem parte?

Depois do plantão de hoje a noite, com ou sem pessimismo, muitos dos policiais que estavam ali presentes, deverão acordar cedo e sem terem tempo para suas famílias, deverão dedicar ao menos várias outras gotas de suor nos “bicos” que garantem àqueles que amam a mínima dignidade que o estado não os dá.

Eu tive o privilégio de ter sido um dos convidados para falar ao público e sei que nem tudo o que disse agradou a todos. Porém, acredito que um debate saudável só é possível quando antagonismos possam existir e hoje, sai de lá sentindo que isso agora pode se tornar possível.

Agora, falta ter mais gente e se você é um daqueles que disse que quer melhorar o pais, então, chegou a hora de você sair de casa e se juntar ao novo movimento que acaba de nascer em São Paulo.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.